A OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS PELAS LÍNGUAS DE IMIGRAÇÃO ALEMÃ

Jussara Maria Habel

Resumo


A proposta deste artigo é analisar a ocupação de espaços pelas línguas de imigração alemã, o hunsriqueano e o boêmio, em uma comunidade específica do Rio Grande do Sul, no Brasil. Este estudo destaca dois termos utilizados na sociolinguística para definir o espaço ocupado pelas línguas de imigração no Brasil: ilhas linguísticas (ROSENBERG, 2003) e territorialidades linguísticas (ALTENHOFEN, 2014). O conceito de ‘ilha linguística’ surge com a tradição de pesquisas alemãs e já foi muito utilizado em pesquisas sociolinguísticas brasileiras. Recentemente, a terminologia foi sendo substituída por ‘territorialidades linguísticas’, devido os diversos contextos de línguas em contato. A ocupação destes espaços possibilitou a formação de áreas multilíngues, nas quais, os falantes se comunicam em até três línguas.


Palavras-chave


Ilhas Linguísticas; Territorialidades; Línguas de Imigração; Boêmios.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.67265



Direitos autorais 2017 Cadernos do IL

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil