A CULPA DE MARKHEIM: O DUPLO, A METÁFORA E O FANTÁSTICO

Davi Alexandre Tomm

Resumo


Este trabalho analisa o conto “Markheim”, de R. L. Stevenson, pela perspectiva da literatura fantástica teorizada por Todorov, da teoria narratológica sobre a focalização e da teoria da metáfora de Paul Ricoeur. Mostrarei como o conto, que trata da temática do duplo, tem sua estrutura também duplicada, dividida em primeira e segunda parte, construída através dos diferentes níveis de focalização e da linguagem metafórica, utilizada para descrever aquilo da realidade que a linguagem comum não consegue descrever. Assim, enquanto as descrições realistas da primeira parte descrevem a realidade ordinária ainda não deturpada pela consciência do protagonista, na segunda parte, a mudança na focalização e a linguagem metafórica ajudam o leitor a perceber o mundo perturbado da consciência culpada do assassino.

Palavras-chave


Duplo; Metáfora; Focalização; Literatura Fantástica

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.52450



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil