A TRAVESSIA E A BUSCA DO ABSOLUTO NOS CAVALEIROS DE LA MANCHA E NOS JAGUNÇOS DOS SERTÕES DAS GERAIS

Rodrigo Antunes Ricci

Resumo


Este artigo tem como objetivo a abordagem entre as personagens do romance Grande Sertão: Veredas, de Graciliano Ramos – Diadorim e Riobaldo –, e as de Miguel de Cervantes – Dom Quixote e Sancho Pança –, no livro Dom Quixote de la Mancha, vistas por uma perspectiva materialista, utilizando, para tanto, as teorias da fragmentariedade do conhecimento, elaborada por Georg Lukács, do individualismo moderno aplicado ao romance, de Ian Watt, como também o amparo dinâmico da realidade dos homens vistas sob a ótica da arte romanesca. A busca pela completude individual na compreensão do Absoluto, bem como do misticismo que envolve a narrativa dessas duas grandes produções são analisados mediante o detalhamento estilístico e uníssono, em uma perspectiva de dependência simbiótica das personagens umas com as outras, sopesadas pela metáfora da travessia/rito de passagem que desempenham durante todo o desenvolvimento das obras.

Palavras-chave


Misticismo; fragmentariedade; individualismo; Guimarães Rosa; Miguel de Cervantes

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.46084



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil