O ENSINO DE INGLÊS A UM ALUNO “DISLÉXICO”: UMA PROPOSTA DE MEDIAÇÃO

Juliana Reichert Assunção Tonelli

Resumo


A dislexia é tradicionalmente (re)conhecida como um distúrbio de aprendizagem da linguagem escrita – compreensão e produção - localizada no aprendiz. Partindo do conceito de linguagem como uma atividade socialmente organizada que possibilita a comunicação humana servindo como instrumento de ação nas práticas sociais (Bronckart, 2003; 2006; 2007; Érnica, 2007) refutamos o conceito de dislexia(s) acima uma vez que, com base no conceito de linguagem assumido em nossos trabalhos, este não encontra via explicativa que a sustente (Massi, 2004a; 2007). Concebendo o processo de ensino-aprendizagem de inglês como um espaço de construção social no qual a mediação (Vygotsky, 2001) assume papel central, este trabalho objetiva apresentar um estudo de caso em que um aluno “disléxico” frquentava as aulas de língua inglesa (LI) e uma sequencia didática (SD) (Dolz, Noverraz e Schneuwly, 2004) foi utilizada como instrumento de mediação do processo de ensino-aprendizagem. Os resultados mostraram que a SD propiciou o engajamento parcial do aluno nas aulas de LI, revelando não somente suas dificuldades, mas principalmente suas potencialidades, desconstruindo seu laudo de disléxico com grau severo.


Palavras-chave


Dislexia; Ensino-aprendizagem de inglês; Sequencia Didática

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.35916



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil