AUXILIARIDADE VERBAL: UMA ANÁLISE DOS NÚCLEOS FUNCIONAIS TEMPORAIS TER E IR NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

Núbia Ferreira Rech

Resumo


Este artigo apresenta a análise de construções com os verbos ir e ter seguidos de complemento VP/infinitivo e particípio, respectivamente, em relação aos cinco critérios de verificação do grau de gramaticalidade adotados por Longo e Campos (2002): (i) inseparabilidade; (ii) irreversibilidade; (iii) esvaziamento semântico; (iv) recursividade e (v) critério da perda de características sintáticas. Para a investigação desses critérios, examinou-se o comportamento sintático desses verbos em relação ao seu ordenamento, às restrições de seleção semântica e categorial, à ocorrência em expressões idiomáticas, ao fenômeno da transparência de voz e ao processo de apassivação. Paralelamente a esses critérios, investigou-se a (in)compatibilidade dos verbos temporais ir e ter com a natureza aspectual do seu complemento, empregando a classificação adotada por Vendler (1967).


Palavras-chave


Auxiliaridade verbal; Núcleos funcionais temporais; Gramaticalização

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.31926



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil