EM VEZ DA LIRA, A MARIMBA: LUIZ GAMA, O ORFEU DE CARAPINHA

Carina Duarte

Resumo


: Ao publicar as Primeiras Trovas Burlescas (1859), Luiz Gama tornava evidente a sua característica de crítico implacável da sociedade. O objetivo deste artigo é, a partir da análise de poemas retirados desta obra, verificar como o poeta utiliza a sátira e a paródia para criticar as imoralidades do seu tempo. Para tanto, servem como fundamentação teórica as proposições de Propp e Bergson sobre o riso e as de Linda Hutcheon sobre a paródia. Luiz Gama, nos seus versos, castiga os vícios, os indivíduos e as instituições. Além disso, combate o preconceito (inclusive o dos mulatos) e defende a igualdade.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.30004



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil