BREVE REFLEXÃO ACERCA DA ESCRITA: A NATUREZA DAS SEGMENTAÇÕES NÃO CONVENCIONAIS

Gabriela Donadel

Resumo


Este texto apresenta breve reflexão acerca da escrita. Nele, focam-se as relações entre escrita e fala, entre escrita e competência linguística. A partir de segmentações não convencionais, discute-se a natureza do processo de escrita com base em trabalhos recentes (Capristano, 2003 e 2007; Chacon, 2004, 2005, 2006, 2008; Cunha, 2004, 2010; Cunha e Miranda, 2006 e 2009; Tenani, 2004). Ao distribuir os espaços em branco, isto é, ao decidir onde começa e termina uma palavra, o escrevente parece orientar-se (i) pela fala, (ii) pelos constituintes prosódicos (cf. Nespor & Vogel, 1986), (iii) por categorias gramaticais em que pese a informação morfológica, (iv) por semelhanças visuais entre determinadas sequências de letras. Assim, os limites de uma palavra na escrita parecem ser definidos não apenas como uma transposição da fala mas também como a representação de fronteiras de unidades abstratas. Segmentações não convencionais seriam indicativas da relação entre o conhecimento linguístico internalizado do falante-escrevente e a convenção escrita.


Palavras-chave


escrita – hipossegmentação – hipersegmentação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.26024



Direitos autorais

 

Indexadores: 

   Resultado de imagem para diadorimImagem relacionada   Resultado de imagem para redib

Imagem relacionadaResultado de imagem para capes web qualisResultado de imagem para google acadêmico

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil