A LINGUÍSTICA COMO FAROL DAS CIÊNCIAS HUMANAS

Luis Felipe Rhoden Freitas

Resumo


O objetivo deste artigo é explorar a metáfora de S. Bouquet de que, a partir da (re)descoberta de um Ferdinand de Saussure, o dito autêntico, a linguística poderia reivindicar seu papel de ciência guia. Será feita uma breve discussão da teoria saussuriana desde a publicação do Curso de Linguística Geral, de 1916, passando pelas possibilidades de leitura historicamente efetuadas do curso, até a publicação de seus escritos originais e de seus intérpretes atuais, sobretudo os mais notáveis, Claudine Normand e Simon Bouquet. Em consequência desse percurso de leituras feitas da obra de Saussure, serão discutidas algumas possíveis implicações da metáfora de Bouquet, a “linguística como farol das ciências humanas”.


Palavras-chave


Saussure – linguística – curso

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.26014



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil