A DISSOCIAÇÃO ENTRE ESTRUTURA MORFOLÓGICA E SEMÂNTICA NA CONSTRUÇÃO DE UNIDADES LEXICAIS IMPORTADAS

Flávia Cristina Cruz Lamberti Arraes

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar os aspectos morfológicos e semânticos do empréstimo linguístico, adotado do inglês pelo português do Brasil, em particular decalques morfológicos e empréstimos morfossemânticos híbridos, tais como ‘impedância’ (do inglês impedance) e ‘enação’ (do inglês enation), respectivamente. A análise foi conduzida a partir dos princípios da abordagem lexicalista da morfologia derivacional, desenvolvidos, em especial, por Danielle Corbin (1987, 1991). A análise permitiu identificar estruturas parcialmente analisáveis, nas quais o constituinte na posição base não pode ser considerado base pelo fato de não ser interpretável ou de ter estrutura morfológica mal-formada. Apesar desse comportamento, o empréstimo dispõe de propriedades essenciais (em especial categorial, morfológica e morfossintática) que permitem o seu uso como qualquer unidade lexical do português.


Palavras-chave


morfologia derivacional ‒ regra de construção de palavra ‒ regra de estrutura interna

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.24999



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil