UM CAMINHO PARA AUTONOMIA DOS ALUNOS ORIENTAIS

Ye Li, Liana Bairros de Souza

Resumo


Graças às perspectivas de desenvolvimento futuro, o Brasil, cada vez mais, recebe estrangeiros em busca de conhecimento, tanto cultural, quanto linguístico. Alunos orientais são exemplos disso. Visando a uma melhor preparação para um mundo globalizado, eles atravessam fronteiras. Mas, levando-se em conta conflitos entre culturas e práticas de ensino tão diferentes, pode-se perguntar se seriam esses alunos capazes de se tornarem aprendizes autônomos ao frequentar aulas de Projeto. Segundo Little e Dam (1998), para muitos autores, autonomia é uma prática ocidental. Entretanto, acredita-se na existência de universais humanos, que os seres humanos teriam uma tendência a buscar autonomia dentro dos limites impostos por sua inevitável interdependência. Baseando-se nisso, através de entrevistas, questionários e observações de aulas de Projeto do Programa de Português para Estrangeiros (PPE) do Instituto de Letras – UFRGS, esta pesquisa propôs-se a responder tal questão.


Palavras-chave


Autonomia – Práticas de ensino – Diferenças culturais

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.24980



Direitos autorais

 

Indexadores: 

   Resultado de imagem para diadorimImagem relacionada   Resultado de imagem para redib

Imagem relacionadaResultado de imagem para capes web qualisResultado de imagem para google acadêmico

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil