ELEMENTOS DE ESTRESSE NA PRÁTICA TRADUTÓRIA DE NOVATOS E SUA INFLUÊNCIA NOS COMPONENTES LINGUÍSTICO-TERMINOLÓGICOS DO TEXTO

Fabiano Bruno Gonçalves

Resumo


Neste trabalho, apresentamos nossa proposta inicial de pesquisa: cremos que um tradutor novato deva ter bons instrumentos cognitivos para mobilizar recursos e habilidades como atenção, atitudes e tomadas de decisões para seu trabalho; deve conseguir gerenciar seu estresse para ter uma produção que pelo menos atinja as expectativas de quem o contrata. Graças à multiplicidade de assuntos, terminologias e responsabilidades, há esgotamento. Intentamos descrever o problema, equacioná-lo e apontar alternativas parciais para a formação desses profissionais, atendendo, assim, mais atentamente, às exigências do mercado. No que segue, há uma proposta de reformulação ad hoc do modelo holístico de PACTE com relação à prática de tradutores novatos. Neste contexto, nossa atenção recai sobre o aspecto textual da (T/t)erminologia.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.24914



Direitos autorais

 

Indexadores: 

      

 

 

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus do Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil