Midwifery e obstetrícia: uma variação denominativa

Yuli Souza Carvalho

Resumo


A área de obstetrícia possui tradições muito vinculadas à cultura de cada país. Tendo em vista esse contexto, o presente trabalho tem o objetivo de tratar da variação denominativa existente no par de línguas inglês e português em um artigo acadêmico desse âmbito. Com base no texto Counting Time in Pregnancy and Labour (DOWNE; DYKES, 2009) e na tradução feita pela autora do artigo, trataremos das traduções de termos técnicos, principalmente vinculados à área de atuação das midwives, que ilustram essas diferenças culturais na forma em que o parto ocorre na Inglaterra e no Brasil. Como resultado, foi possível observar que a escolha de traduzir ‘midwifery’ por ‘obstetrícia’, apesar de ter sido aconselhada por uma profissional da área, não foi a solução considerada mais adequada. Foi possível concluir que, em um contexto em que há discrepância entre as culturas do país-fonte e do país-alvo, seria conveniente que o tradutor escrevesse um prefácio ou nota do tradutor onde fosse explicado de que forma ocorrem essas diferenças culturais.

Palavras-chave


terminologia; variação denominativa; tradução técnica; obstetrícia.

Texto completo:

PDF

Referências


ACKER, Justina Inês Brunetto Verruck et al. As parteiras e o cuidado com o nascimento. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 59, n. 5, p. 647-651, out. 2006.

AGUIAR, Janaina Marques de; D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas; SCHRAIBER, Lilia Blima. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 11, p. 2287-2296, nov. 2013.

AIXELÁ, Javier Franco. Culture-specific Items in Translation. In ALVAREZ, Roman; VIDAL, María del Carmen-Africa. (eds.). Translation, Power, Subversion. Philadelphia: Multilingual matters, 1996, p. 52-78.

BACHMAN, Lorelei. Midwifery in the UK: From Florence Nightingale to Call the Midwife. Anglotopia: [n. i.], 2018. Disponível em: https://www.anglotopia.net/british-entertainment/brit-tv/midwifery-uk-florence-nightingale-call-midwife/. Acesso em: 26 dez. 2018.

BERGHAHN BOOKS. Childbirth, Midwifery and Concepts Of Time. New York; Oxford, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Brasília, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Parto e nascimento domiciliar assistidos por parteiras tradicionais. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pela primeira vez número de cesarianas não cresce no país. Brasília, 2017. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/27782-pela-primeira-vez-numero-de-cesarianas-nao-cresce-no-pais. Acesso em: 23 dez. 2018.

CARVALHO, Yuli Souza. “Contando o tempo na gravidez e no parto”: tradução comentada de um texto técnico. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

DOWNE, Soo; DYKES, Fiona. Counting Time in Pregnancy and Labour. In: MCCOURT, Christine (Org.). Childbirth, Midwifery and Concepts of Time. Oxford: Berghahn Books, 2009. p. 61-83.

GUEDES, Aline. Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil. Senado Notícias: Brasília, 2018.

INTERNATIONAL CONFEDERATION OF MIDWIVES. ICM International Definition of the Midwife. Den Haag, 2017.

KRIEGER, Maria da Graça; FINATTO, Maria José B. Introdução à Terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

MACIEL, Anna Maria Becker. Pressupostos sociocognitivos na descrição de terminologias e na produção de obras terminográficas. In: Encontro Intermediário do GT de Lexicologia, Lexicografia e Terminologia da ANPOLL, 6., 2007, Porto Alegre, RS. Resumo Expandido. Porto Alegre: UFRGS, 2007.

MCCOURT, Christine. Childbirth, Midwifery and Concepts of Time. Oxford: Berghahn Books, 2009. p. 61-83.

NATIONAL CHILDBIRTH TRUST. Maternity Statistics – England. 2015. Disponível em: https://www.nct.org.uk/about-us/professional/research/maternity-statistics/maternity-statistics-england. Acesso em: 26 dez. 2018.

ODOSHINA, Maiumy Huelida Gomes. O Parto na TV: um estudo a partir de um programa de jornalismo utilitário sobre saúde. 2017. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

O RENASCIMENTO do parto. Direção: Eduardo Chauvet. Produção: Érica de Paula. Roteiro: Érica de Paula. Brasília: Master Brasil e Ritmo Filmes, 2013. Netflix (90 min).

O RENASCIMENTO do parto 2. Direção: Eduardo Chauvet. Distribuição: Vitrine Filmes. Brasília: Master Brasil e Ritmo Filmes, 2018. Netflix (91 min).

O RENASCIMENTO do parto 3. Direção: Eduardo Chauvet. Produção: Eduardo Chauvet. Roteiro: Eduardo Chauvet. Brasília: Master Brasil e Ritmo Filmes, 2018b. Netflix (72 min).

PEREIRA, Amanda Henrique; NADIN, Odair Luiz. Análise da variação terminológica denominativa em textos jurídicos: o caso do termo petição inicial. TradTerm, São Paulo, v.34, p. 121-142, dez. 2019.

TEMMERMAN, Rita. Teoria Sociocognitiva da Terminologia. Tradução de Natacha Enzweiler e Luzia Araújo. Revisão de Talia Bugel. Cadernos de Tradução, Porto Alegre, n. 17, p. 31-50, dez. 2004.




DOI: https://doi.org/10.22456/2236-6385.103010



Direitos autorais 2020 Yuli Souza Carvalho

 

Indexadores: 

      

 

     

 

E-ISSN 2236-6385 (versão eletrônica)

 

Contato: cadernosdoil@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Programa de Pós-Graduação em Letras

Av. Bento Gonçalves, 9500 - Campus Vale

CEP 91501-970

Porto Alegre/RS, Brasil

 

Bolsista (vigência 2020):

Candice Batista de Fraga