Geografia e gênero / geografia feminista - o que é isto?

Susana Maria Veleda da SILVA

Resumo


O título é provocativo. A intenção é contribuir com o debate geográfico teórica e metodologicamente no sentido de trazer novas - em alguns lugares não tão novas - possibilidades que nos permitam refletir e transformar (para melhor, é claro) o mundo em que vivemos.

É importante esclarecer que entendo a Geografia como uma ciência social cujo objeto é o espaço geográfico, portanto acredito que não existam diferentes geografias - Geografia física, econômica, da população, de gênero. Mas considero que o conhecimento da totalidade deste espaço geográfico passa pela apreensão de uma realidade que se modifica constantemente e para conhecê-la precisamos fazer recortes. Os adjetivos colados à Geografia não são "adjetivações" que estudam partes da realidade e se esvaziam em abstrações. Eles são entendidos aqui, segundo SAUSSURE (CITADO POR BOURDIEU,1994), como pontos de vista, recortes desta realidade que nos permitem uma maior compreensão do todo. Dessa forma, a Geografia de gênero e/ou feminista é mais um enfoque, que não deve perder as outras mediações.

Como diz Milton Santos "O mundo é um só. Ele é visto através de um dado prisma, por uma dada disciplina" (1996: 17). Nesse mesmo sentido percebo que a intcrdisciplinaridade também só é possível quando compartilhamos pontos de vista. Ou seja, a interdisciplinaridade passa por uma epistemologia compartilhada entre os estudiosos que podem assim entender a realidade sob o enfoque de seu objeto de estudo (de seu recorte) mas também dialogar com estudiosos que compartilham formas de conhecimento e de entendimento do mundo.

Ora, mas e daí, onde eu quero chegar? O que pretendo é justamente mostra rque é possível iluminar a teoria geográfica com matizes feministas.

E assim entro numa seara que infelizmente ainda causa desassossegos na sociedade e no mundo acadêmico. Apesar dos movimentos feministas já estarem "fazendo barulho" há mais de três décadas no mundo ocidental, a palavra feminista ainda assusta. E cito SUSAN HANSON (geógrafa norte-americana) para percebermosque esse medo não ocorre só aqui: "o medo do feminismo é similar ao medo dos extraterrestres, tendo ambos suas raízes no temor ao desconhecido, na ansiedade em torno da mudança. Porque, com efeito, o feminismo nos fala, sem dúvida alguma, em mudança." (MARTÍNEZ, 1995:13)

Proponho-me, neste artigo, mostrar o que entendo por Geografia de Gênero e/ou Feminista.

Antes de tudo, saliento que mais do que esgotar questões, pretendo compartilhar meus estudos e levantar novas possibilidades de pensar geograficamenteo mundo. O artigo está estruturado em quatro momentos: a) uma breveconsideração sobre o feminismo; b) o conceito de gênero; c) a Geografia sob oprisma do feminismo e d) gênero e estudos do cotidiano na Geografia.


Palavras-chave


geografia; gênero; feminista

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O BGG é uma publicação da Associação dos Geógrafos Brasileiros - Seção Porto Alegre

Endereço / Address:Rua Uruguai nº 35 sala 426, Centro

CEP: 90010-140 

Porto Alegre - RS - Brasil

Telefone / Phone: 55 51 3019-8190 

Contato/mail to: boletimgauchodegeografia@ufrgs.br