Rio Grande: o espaço urbano e suas contradições - o caso do Bairro Marluz

César Augusto Avila MARTINS, Nara Nilcéia da Silva SANTOS, Maria Terezinha Gama PINHEIRO

Resumo


A consolidação do espaço monopolista brasileiro, como demonstrada pur MOREIRA (1985), nas décadas de 1970 e 1980 implementa, novas formas ao território, combinando tendências homogeneizadoras com a diferenciação dos lugares, desterritorializando e reterritorializando processos produtivos, sujeitos sociais, idéias e símbolos.

O municfpio de Rio Grande, um dos marcos da ocupação portuguesa no sul do continente amencano na disputa territorial com a coroa espanhola, representava uma área estratégica de acesso à hinterlândia do futuro estado do Rio Grande do Sul, como possibilidade de escoamento da produção e parte integrante de um sistema de fluxos em construção. Metamorfoseia-se de centro comercial em significativo pólo industrial a partir das décadas de 1870/1880, principalmente com indústrias têxteis e alimentares: SINGER (1977, p.174), anota que Porto Alegre provavelmente tenha suplantado Rio Grandena liderança industrial do estado somente depois de 1920. A cidade vai combinando diferentes formas de morar: os grandes casarões e suas fachadas azulejadas, típicas de centros comerciais, as residências dos industriais e dos engenheiros e técnicos próximos das fábricas, associadas às vilas operárias, ocupações em áreas alagadiças e de dunas.

Após o golpe militar de 1964, sobretudo no decorrer da década de 1970, com o realinhamento do Brasil na divisão internacional do trabalho, que tem como um dos pilares básicos, políticas agressivas deprodução de mercadorias para a exportação. No Rio Grande do Sul, há a articulação da modernização da agricultura, especialmente da soja, com a instalação do Distrito Industrial e do Superporto de Rio Grande. O Município passa a receber uma série de investimentos estatais, atraindo capital e força de trabalho. O primeiro encontrará amplas facilidades para sua reprodução: infra-estrutura e subsídios cstatais e estratégias de controle, coação e repressão às diferentes formas de organização da sociedade, tendo emvista as tradições de lutas sindicais em Rio Grande. O segundo que, em momentos iniciais e depois pontualmente, tem multiplicadas as possibilidades de emprego e de melhorias salariais, na década de 1980, ressente-se do encolhimento dos investimentos estatais e privados, com a diminuição das ofertasde emprego, acompanhada pelas constantes perdas salariais e da percepção de que a cidade afirma-se cada vez mais como habitat, ou seja, apenas na dimensão de um lugar ou meio onde qualquer ser mais oumenos organizado se reproduz, negando a condição de que seres humanos além de habitar desejam morar. Significa a condição humana de permanecer, assistir e ser assistido, de ter lazer e prazer.

A preocupação central do trabalho é a investigação da lógica da produção e da reprodução de uma parcela do espaço urbano do município de Rio Grande, situado no eixo de ligação entre a área centralda cidade e o balneário do Cassino, circundada pela ferrovia Rio Grande (Cassino)-Pelotas, limítrofe ao aeroporto, ao Campus Carreiros da URG e a uma grande área vazia da Rede Ferroviária Federal Sociedade Anónima (RFFSA).


Palavras-chave


Rio Grande; espaço urbano; contradições; bairro Marluz

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O BGG é uma publicação da Associação dos Geógrafos Brasileiros - Seção Porto Alegre

Endereço / Address:Rua Uruguai nº 35 sala 426, Centro

CEP: 90010-140 

Porto Alegre - RS - Brasil

Telefone / Phone: 55 51 3019-8190 

Contato/mail to: boletimgauchodegeografia@ufrgs.br