Capitalismo, natureza e a fronteira agrícola amazônica

Nelson REGO

Resumo


O espaço amazônico, que a partir dos anos sessenta tornou-se a meta de grandes contingentes de colonos vindos do Centro-Sul e Nordeste, vem se transformando, gradativamente, numa área de conflitos fundiários, onde a propriedade da terra, assim como os incentivos creditícios e fiscais, o acesso aos insumos e a comercialização dos produtos agrícolas, é cada vez mais um oligopólio de grandes empresas industriais que passaram a atuar diretamente na produção agropecuária. Portanto, de espaço que representava a solução para os conflitos fundiários, acolhendo os fluxos migratórios de trabalhadores rurais sem terra vindos de regiões de ocupação mais antiga, a fronteira agrícola amazônica tornou-se uma outra área de reprodução dos mesmos conflitos, onde a vastidão da terra não significa um lugar para todos. Ocorre, então, um refluxo por parte desses contingentes migratórios, que retornam às suas regiões de origem (onde os problemas que determinaram a sua saída permanecem sem solução) ou perambulam pelo interior do país. Trata-se da peregrinação dos que não tem terra pelo imenso território de um pais escassamente povoado. Seu destino final, quase sempre, são os cinturões de miséria e marginalidade das grandes cidades ou as fileiras de trabalhadores rurais diaristas.
Desse modo, a fronteira de expansão representada pela Amazônia Legal, ao invés de se constituir na solução para o assentamento e vida produtiva de enorme parcela da população brasileira, tornou-se um espaço privado de poucos.
Simultaneamente, a ocupação acelerada da Amazônia, principalmente
por grandes projetos agropecuários e industriais, suscita preocupações quanto ao futuro da Região. Entre os vários enfoques possíveis, uma análise ecológica chama à atenção para o fato de que os grandes empreendimentos alcançam suas metas através de uma generalizada e intensa devastação das condições naturais, comprometendo a ocupação e o desenvolvimento a longo prazo da Região. Cumpre, por isso, pensar sobre a ocupação do espaço como local onde a sociedade se realiza e constrói as suas condições de existência. A Amazônia Legal, que representa cerca de metade do territôrio nacional, é um depositário de recursos e potencialidades para o desenvolvimento social do país, mas a essa rica potencialidade corresponde uma pobre realidade, e o que é pior: na proporção em que se desenvolvem as atuais formas de ocupação, tanto mais reduzidas vão ficando as potencialidades. Em outras palavras, se o lucro imediato é de poucos, o prejuízo é social.
Este trabalho pretende analisar a expansão da fronteira agrícola na Amazônia de um ponto de vista ecológico, e o ecológico por uma perspectiva social. Assim, a perspectiva ecológica deste trabalho deve buscar as razões sociais do modo pelo qual a natureza e transformada e, na sua transformação, desigualmente trabalhada e apropriada pelos homens.

Palavras-chave


capitalismo; natureza; fronteira agrícola; Amazônia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O BGG é uma publicação da Associação dos Geógrafos Brasileiros - Seção Porto Alegre

Endereço / Address:Rua Uruguai nº 35 sala 426, Centro

CEP: 90010-140 

Porto Alegre - RS - Brasil

Telefone / Phone: 55 51 3019-8190 

Contato/mail to: boletimgauchodegeografia@ufrgs.br