O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MATEMÁTICA DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE MONTES CLAROS – MG (1968-1978)

Shirley Patrícia Nogueira de Castro e Almeida (Brasil), Maria Laura Magalhães Gomes (Brasil)

Resumo


Este artigo relata os resultados de uma investigação sobre o período inicial (1968-1978) do curso de Matemática da Fafil - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Montes Claros, Minas Gerais. Além de documentos escritos, foram usadas 16 entrevistas, com base na metodologia da História Oral. O estudo mostra que, como em outras instituições brasileiras, a implantação do curso foi feita em caráter de urgência, num cenário de carência de professores do ensino secundário e superior. Mesmo tendo formado poucos licenciados em sua fase inicial, o curso pôde suprir algumas demandas. O modelo de formação adotado, calcado no rigor e na distinção, mostra a predominância da ideia de que as tarefas de ensinar e aprender Matemática eram destinadas aos bem dotados intelectualmente. 


Palavras-chave


Formação de Professores de Matemática; História Oral; História do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, J. ; FERREIRA, M. de M. (Coord.) Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BARALDI, I. M. Retraços da Educação Matemática na Região de Bauru (SP): uma história em construção. 2003. 3 v. 288 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.

BARALDI, I. M.; GAERTNER, R. Textos e Contextos: um esboço da CADES na História da Educação (Matemática). Blumenau: Edifurb, 2013.

BOURDIEU, Pierre. A distinção. Crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. IN: AMADO, J.; FERREIRA, M. de M. (Coord.). Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 183-191.

BRASIL. DOCUMENTA. Brasília: Conselho Federal de Educação, nº 10, dez./1962.

CASTRO, A. D. de. A licenciatura no Brasil. Revista de História, São Paulo, v. 50. N. 100, tomo II, p. 627-652, out./dez. 1974.

CUNHA, L. A. Os Estudos de Problemas Brasileiros na UFRJ: aproximações institucionais. Revista Contemporânea de Educação. Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, p. 193-215, jan./jul. 2012.

CURY, F. G. Uma História da Formação de Professores de Matemática e das Instituições Formadoras do Estado do Tocantins. Rio Claro, 2011. 289f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro (SP), 2011.

DRUMOND, J. G. de F. “Universitas quae sera tamen”. Montes Claros: Revista Vínculo, n. 04, p. 11-13, 1989.

FERNANDES, D. N. Sobre a formação do professor de Matemática no Maranhão: cartas para uma cartografia possível. 2011. 389 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2011.

GALVÃO, A. M. de O.; LOPES, E. M. T. Território Plural: a pesquisa em história da educação. 1 ed. São Paulo: Ática, 2010.

GARNICA, A. V. M.; FERNANDES, D. N.; SILVA, H. da. Entre a amnésia e a vontade de nada esquecer: notas sobre Regimes de Historicidade e História Oral. Bolema. Boletim de Educação Matemática (UNESP. Rio Claro. Impresso), v. 25, p. 213-250, 2011.

GARNICA, A. V. M. História Oral em Educação Matemática: outros usos, outros abusos. Guarapuava: Sociedade Brasileira de História da Matemática, 2007.

GARNICA, A. V. M. Presentificando ausências: a formação e a atuação dos professores de matemática. In: CUNHA, A. M. de O.; MORTIMER, E. F., AGUIAR JUNIOR, O. G. de; NASCIMENTO, S. S. do; FONSECA, M. C. F. R. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: Educação Ambiental, Educação em Ciências, Educação em Espaços não-escolares, Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p.555 569.

GARNICA, A. V. M. Registrar oralidades, analisar narrativas: sobre pressupostos da História Oral em Educação Matemática. Ciências Humanas e Sociais em Revista, v. 32, p. 20-35, 2010.

MARTINS-SALANDIM, M. E. A interiorização dos cursos de Matemática no estado de São Paulo: um exame da década de 1960. 2012. 379 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

MINAS GERAIS, Fundação João Pinheiro. Anuário Estatístico do Nordeste. FJP: Belo Horizonte, 1994.

MINAS GERAIS. Constituição (1989). Constituição do Estado de Minas Gerais, 1989. Belo Horizonte, 1989.

MONTES CLAROS. Relatório de Gestão 1990-UNIMONTES. Montes Claros: UNIMONTES, 1990.

MOREIRA, P. C.; FERREIRA, A. C. O Lugar da Matemática na Licenciatura em Matemática. Bolema. Boletim de Educação

Matemática (UNESP. Rio Claro. Impresso), v. 27, n. 47, p. 981-1005, dez. 2013.

PAULA, I. R. de. Pequena Resenha Histórica da FAFIL. Montes Claros: Revista Vínculo, Ano I, n. 01, p. 9-12, mar. 1973.

ROTA JÚNIOR, C.; IDE, M. H. de S. Ensino superior e desenvolvimento regional: o Norte de Minas Gerais na década de 1960. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 64, p. 143-164, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



 

 

====================================================================


REVISTA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO / HISTORY EDUCATION JOURNAL

QUALIS/CAPES 2016: Educação - A1 / Ensino - A1 / História - A2 / Interdisciplinar - A2 / Direito - A2 / Linguística e Literatura - B1 / Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo - B1

ISSN online: 2236-3459

E-mail: rhe.asphe@gmail.com

 

REDES SOCIAIS / SOCIAL NETWORKS

 

                   




INDEXADORES / INDEXERS

 

                  

 

 

 

              

 

 

                    

 

 

 

 

                  

 

 

                       

 

 

                    

 

 

                              

 

 

                    

 

 

                     

 

 

 

PATROCINADORES E APOIADORES / SPONSORS AND SUPPORTERS

 

                            

 

 

              

 

 

 

AGÊNCIAS DE FOMENTO / DEVELOPMENT AGENCIES