Avaliação do comportamento de revestimentos em argamassas estabilizadas submetidas a tratamento superficial com aditivos cristalizantes

Ana Cláudia Akele Jantsch, Gihad Mohamad, Raquel Petry Brondani Schmidt, Juliana Pippi Antoniazzi, André Lübeck

Resumo


A presença da água é uma das principais causas do surgimento e da disseminação de manifestações patológicas em revestimentos argamassados. Tal problema põe em risco a capacidade de proteção dos revestimentos e, consequentemente, sua durabilidade, permitindo a degradação precoce desses materiais. A utilização de aditivos impermeabilizantes, como os cristalizantes, visa à criação de uma barreira à penetração da água. Assim, a presente pesquisa avaliou argamassas estabilizadas de 36 h e de 72 h, com e sem a adição de tratamentos cristalizantes (líquido e em pó), para verificar seu comportamento quanto à ação de umidade no estado líquido e de vapor d’água. Para isso, foram avaliadas a resistência mecânica e a permeabilidade desses materiais. Pode-se concluir que as argamassas de 36 h apresentaram melhores resultados quando comparadas às argamassas de 72 h. A aplicação de tratamentos cristalizantes contribuiu para a redução da absorção de água e para o aumento da resistência mecânica. O cristalizante líquido demonstrou ser mais apropriado, enquanto o cristalizante em pó diminuiu a permeabilidade ao vapor d’água, o que causa prejuízos ao revestimento.


Palavras-chave


Argamassa estabilizada; Aditivo cristalizante; Permeabilidade à água e ao vapor

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2020 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: