Demandas de customização em edifícios residenciais no Brasil: uma análise de agrupamentos empírico-qualitativa com base no sistema Skeleton/Infill

Marianne Costa Avalone, Diego de Castro Fettermann

Resumo


A lógica de produção habitacional tem excluído os consumidores do processo decisório, atribuindo-lhes o encargo de adequar a moradia às próprias necessidades após o recebimento das chaves. Isso gera desperdício de recursos, prejuízo à segurança dos moradores e às relações de vizinhança, além de reduzir a vida útil dos edifícios. Assim, torna-se indispensável propor estratégias que minimizem a necessidade de reforma de imóveis recém-construídos. Com o objetivo de esclarecer as demandas de customização em edifícios residenciais no Brasil, investigou-se o escopo das adaptações conduzidas por moradores ao longo da ocupação de uma amostra de 62 apartamentos nas cidades de São Paulo e Santos. A partir dos dados obtidos, realizou-se uma análise de agrupamentos, na qual identificaram-se três padrões de demandas de customização: (1) alteração de acabamentos, equipamentos, leiaute e aberturas; (2) adição de equipamentos não previstos originalmente, como banheiras, e condicionadores de ar; e (3) ampliação por incorporação de áreas comuns pouco acessadas, não reclamadas por outros moradores. Como os dois últimos padrões afetam o esqueleto do edifício, requerendo obras geridas por especialistas, consideram-se abordagens técnicas e legais para viabilizá-las a partir dos conceitos da customização em massa.


Palavras-chave


Produção Habitacional. Customização. Edifícios Residenciais. Estudo Etnográfico. Análise de Agrupamentos

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2020 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: