No calor da idade: parâmetros de conforto térmico para idosos residentes em localidade do semiárido paraibano

Miriam de Farias Panet, Virgínia Maria Dantas de Araújo, Eduardo Henrique Silveira de Araújo

Resumo


Sabe-se que, com o envelhecimento, acontecem alterações fisiológicas que comprometem negativamente a sensação térmica do indivíduo. No entanto, a sensação de conforto térmico de pessoas idosas em ambientes residenciais tem sido pouco explorada no Brasil, principalmente em ambientes residenciais. Nesse contexto, quais seriam os parâmetros para avaliar a qualidade térmica de ambientes residenciais para pessoas idosas? Para responder a essa questão determinaram-se os parâmetros de conforto térmico para pessoas idosas em ambiente residencial na cidade de Campina Grande, localizada no estado da Paraíba, Brasil. A pesquisa, de natureza empírica, adotou a estratégia de múltiplos métodos, com entrevista estruturada para obter os dados das variáveis individuais e subjetivas, e medição dos dados das variáveis ambientais por meio de instrumentos e equipamentos especializados. A técnica estatística de estimativa de probabilidades (probits) utilizada para determinar os parâmetros de conforto térmico comprovou a preferência das pessoas idosas por ambientes mais aquecidos. A partir dos resultados é possível contribuir com o planejamento de ambientes residenciais mais confortáveis para pessoas idosas, mediante avaliações pós-ocupação (APO) e simulações de desempenho térmico de edificações em fase de concepção projetual.


Palavras-chave


Sensação térmica, Pessoas idosas, Semiárido

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2020 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: