Análise da influência da malha de pontos em índices de avaliação de desempenho da luz natural

Autores

  • Pedro Vitor Sousa Ribeiro Universidade Federal de Alagoas
  • Ricardo Carvalho Cabús Universidade Federal de Alagoas

Palavras-chave:

Iluminação natural, malha de pontos, índices de desempenho da luz natural, simulação computacional

Resumo

O desempenho da iluminação natural de ambientes pode ser avaliado por meio de várias ferramentas, a maioria baseada na iluminância. Mesmo com os avanços nas últimas décadas, principalmente os computacionais, a definição dos pontos da malha é deixada, em geral, para escolha do simulador. Este artigo tem como objetivo analisar a influência da malha de pontos no desempenho das métricas: iluminância média (Em), uniformidade (U), autonomia de luz natural (ALN), autonomia de luz natural contínua (ALNc), autonomia de luz natural espacial (ALNe), iluminância útil de luz natural (IULN) e exposição solar anual (ESA). A simulação computacional foi realizada pelo TropLux, em ambiente de 6 m2 x 6 m2 sem proteção solar. Realizou-se análise exploratória e estatística, utilizando a ANOVA, teste de Tukey e matriz de correlação. Os resultados indicam que a grade de pontos influencia na precisão das métricas estudadas. Para Em, U, ALN, ALNc, ALNe e IULN os resultados se estabilizaram a partir de uma malha de 6x6 pontos, com distância entre pontos de 1,00 m, enquanto para ESA ocorreu a partir da malha de 11x11 pontos, ou distância entre pontos de 0,54 m. O trabalho sugere que uma análise distinta das contribuições da luz do sol direta e da luz do céu levando em consideração o tamanho da malha pode otimizar o desempenho computacional, mantendo a precisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Vitor Sousa Ribeiro, Universidade Federal de Alagoas

Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Arquitetura pelo Programa de Pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas, atualmente cursando o Doutorado no mesmo programa.

Ricardo Carvalho Cabús, Universidade Federal de Alagoas

Possui doutorado em Arquitetura pela University of Sheffield (2002), mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (1997), especialização em Computação, convênio UFAL/UFPE (1988) e graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Alagoas (1986). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal de Alagoas, membro da CIE (Comissão Internacional de Iluminação) e líder do Grupo de Pesquisa em Iluminação (Grilu). Tem experiência nas áreas de Arquitetura, Engenharia Civil e Computação, com ênfase em Conforto Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: iluminação natural, eficiência energética e simulação computacional

Downloads

Publicado

2019-10-04

Edição

Seção

Artigos