Consumo energético de salas de escritório climatizadas de modo misto em São Paulo: considerações sobre o projeto

Caroline Antonelli Santesso, Karin Maria Soares Chvatal

Resumo


Na literatura há poucos estudos sobre edifícios climatizados de modo misto (ou com ventilação híbrida) com estratégias simples de projeto. Dessa forma, esta pesquisa avalia o impacto de parâmetros arquitetônicos (formato da sala, tamanho e orientação das aberturas) e de uso (densidade de carga de equipamentos e temperatura de acionamento do ar-condicionado) no desempenho energético de salas de escritório de modo misto na cidade de São Paulo. O método consistiu em um levantamento de dados dessa tipologia de edifício, caracterizando os modelos de estudo, e simulações paramétricas no programa EnergyPlus. Verificou-se que o uso da ventilação híbrida proporcionou reduções de até 52% no consumo energético do ar-condicionado para resfriamento. Ao se adotar essa estratégia, é importante associar a forma da sala à área da janela. Menores consumos energéticos foram observados para as combinações de salas estreitas e profundas com janelas maiores ou de salas menos profundas e mais largas com janelas menores. Contudo, a diminuição da área efetiva para ventilação alterou essas conclusões, tendo sido obtido menor consumo de energia sempre com janelas menores. Este trabalho indica que a combinação adequada dos parâmetros estudados pode gerar projetos com menor consumo energético, o que auxilia na concepção dessa tipologia de edifício.


Palavras-chave


consumo de energia; ventilação híbrida; modo misto; edifícios de escritórios; simulação computacional

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2018 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: