Avaliação do potencial de resfriamento de um sistema teto-reservatório para condições subtropicais

Eduardo Leite Krüger, Sérgio Costa Lange, Leandro Fernandes, Francine Rossi

Resumo


O resfriamento evaporativo indireto (REI), caracterizado pela umidificação de coberturas e por produzir resfriamento sem aumentar a umidade relativa do interior da edificação, é uma estratégia de projeto bioclimático ainda relativamente pouco usada no horizonte brasileiro. O presente estudo tem por objetivo avaliar a aplicação de uma forma particular de REI (que alia o resfriamento evaporativo à inércia térmica propiciada por um reservatório d’água) para o condicionamento térmico de ambientes em situação de calor em Curitiba, cidade inserida na zona bioclimática 1. Foram confeccionados, monitorados e comparados inicialmente duas células-teste: um módulo de controle (MC) e um módulo experimental (ME), este dotado de uma cobertura estanque constituída de um reservatório d’água sujeita à evaporação. Uma segunda configuração do módulo experimental foi testada em um período de monitoramento subsequente, a qual possibilitou comparar-se o efeito do resfriamento com o reservatório vedado, ou seja, sem uso do REI, em uma situação de aumento da capacidade térmica da cobertura sem haver efeito evaporativo. Os resultados apontam para a vantagem do uso do REI para o resfriamento interno dos protótipos testados.


Palavras-chave


resfriamento passivo; resfriamento evaporativo indireto; massa térmica

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: