Impactos do uso de climatização artificial na percepção térmica em espaços abertos no centro do Rio de Janeiro

Eduardo Leite Krüger, Patricia Regina Chaves Drach

Resumo


Estudos de percepção térmica em espaços abertos são fundamentais para um planejamento urbano climaticamente orientado. O presente artigo investiga a percepção térmica de usuários de espaços abertos no Centro da cidade do Rio de Janeiro, com o objetivo de analisar o impacto do uso prolongado de ar-condicionado nos votos de sensação e preferência térmicas. As respostas obtidas por meio de entrevistas estruturadas são comparadas a índices de conforto em espaços abertos (PET e UTCI), agrupando-se as respostas segundo a utilização ou não de climatização artificial, conforme reportado pelos entrevistados. As campanhas de monitoramento foram realizadas em períodos de verão entre 2012 e 2015. A organização semiexperimental da pesquisa envolveu a permanência dos equipamentos e pesquisadores em um único ponto por campanha, durante o período de 10 às 15 horas. Uma estação meteorológica Davis Vantage Pro2 foi utilizada para a coleta de dados concomitantemente à aplicação de questionários estruturados segundo a ISO 10551, aos quais incluíram-se questões acerca do uso de ar-condicionado no local de trabalho e no ambiente doméstico. Dos resultados obtidos, notou-se que o uso frequente de ar-condicionado impacta a percepção térmica dos usuários, e influencia na definição de limites de conforto em espaços abertos, para os índices PET e UTCI avaliados.


Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: