Gestão do processo de design de arquitetura efêmera em museus

Ana Cecilia Nascimento Rocha Veiga, Paulo Roberto Pereira Andery

Resumo


A gestão de empreendimentos de museus e espaços museográficos têm crescido em complexidade, particularmente na sua fase de concepção. Contribui para isso o reduzido ciclo de vida dos empreendimentos, a arquitetura efêmera, que supõe pouco tempo para projetação, execução e montagem. Soma-se a mudança de significado que os espaços museográficos tiveram em anos recentes, com a interação entre acervo, ambiente construído e público, gerando um briefing mais dinâmico e complexo. Nesse contexto, presente trabalho apresenta, de maneira sintética, um modelo de referência para o processo de projeto de espaços museográficos. Nesse modelo são estabelecidas fases para o processo de projeto e seus produtos, priorizando os conceitos de projeto integrado. O termo de referência assume um núcleo de coordenação, formado por três agentes variáveis de acordo com a natureza do projeto. Por meio do método de pesquisa- ação, o modelo foi implementado e validado no projeto de um museu universitário. Os resultados da implementação são discutidos, e apontam para o fato de que os mecanismos de colaboração e comunicação durante o processo de projeto e a adoção dos princípios de projeto integrado, são fundamentais para o sucesso da implementação.

Palavras-chave


processo de projeto; gestão de empreendimentos; espaços museográficos

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: