Durabilidade de fachadas: método de ensaio para verificação da resistência à ação de calor e choque térmico

Luciana Alves Oliveira, João Heitzmann Fontenelle, Claudio Vicente Mitidieri Filho

Resumo


A avaliação da durabilidade de sistemas construtivos envolve a identificação dos agentes agressivos do ambiente. Em países tropicais, tende a ser significativa a ação de agentes de degradação, como altas temperaturas, umidade, radiação ultravioleta e agentes biológicos.  A ação desses agentes é mais atuante nas fachadas dos edifícios, por sofrerem continuamente aquecimento, em razão da radiação solar, e resfriamento, em função de chuvas ou oscilações térmicas, fenômeno conhecido como choque térmico.  No Brasil, a resistência à ação de calor e choque térmico de fachadas é tratada na norma de desempenho - NBR 15575-4 (ABNT, 2013). Entretanto, o método de ensaio proposto por esta norma difere dos métodos de ensaios de normas estrangeiras, em alguns aspectos. Assim, o objetivo deste artigo é discutir e propor revisões no método de ensaio estabelecido na norma brasileira para avaliar a resistência dos elementos de fachada leve à ação de calor e choque térmico. A discussão e proposta de revisão do método de ensaio de choque térmico são baseadas em revisão bibliográfica, e pelos resultados de ensaios realizados conforme a NBR 15.575-4 (ABNT, 2013). Foram propostas as seguintes modificações: tempo de permanência do corpo de prova na fase aquecida, e dimensões e restrições impostas ao corpo-de-prova. Para a consideração de outros aspectos, como tempo e quantidades de ciclos, estudos ainda precisam ser desenvolvidos.

Assim, o objetivo deste artigo é discutir e propor revisões no método de ensaio estabelecido na norma brasileira para avaliar a resistência dos elementos de fachada leve à ação de calor e choque térmico.

A discussão e proposta de revisão do método de ensaio de choque térmico são baseadas em revisão bibliográfica, corroborada pelos resultados de ensaios realizados conforme a NBR 15.575-4 (2013). A proposta é modificar os seguintes aspectos: tempo de permanência do corpo de prova na fase aquecida, e dimensões e restrições impostas ao corpo-de-prova. Para a consideração de outros aspectos, como tempo e quantidades de ciclos, estudos ainda precisam ser desenvolvidos. 


Palavras-chave


durabilidade; fachada; choque térmico; sistema construtivo; desempenho

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: