Avaliação da qualidade de arranjos espaciais de apartamentos baseada em aspectos morfo-topológicos e variáveis geométricas que influenciam na racionalização construtiva

Douglas Queiroz Brandão

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de um estudo cujo objetivo é desenvolver um método para avaliar os arranjos espaciais de apartamentos, contemplando diferentes atributos relacionados tanto às necessidades dos usuários como às questões de racionalização construtiva. Este estudo se justifica na medida em que grande parte das plantas consideradas típicas não configura arranjos com os melhores índices de conforto e qualidade para o morador, nem tampouco proporcionam melhores níveis de construtibilidade. O enfoque é dado às variáveis relacionadas com os planos verticais, que normalmente equivalem a aproximadamente 45% dos custos do edifício. Inclui a análise de três atributos que interferem na facilidade de construir: a densidade de paredes; o número de segmentos de paredes; e o número de junções duplas entre esses segmentos. Para tanto, utilizou-se uma amostra composta de 83 plantas com área em torno de 90 m2, oriundas de 27 cidades brasileiras. Foram também levantadas as características arquitetônicas básicas e analisados atributos morfológicos e topológicos, buscando avaliar sua influência na economia de materiais e na racionalização construtiva. Constatou-se que arranjos com simplicidade geométrico-construtiva também constituem soluções de qualidade no âmbito das necessidades de conforto e funcionalidade.

Palavras-chave


qualidade do projeto; índices geométricos; construtibilidade; paredes de alvenaria; morfologia habitacional; edifícios residenciais

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: