Comparação entre tempos de reverberação calculados e medidos

Paulo Henrique Trombetta Zannin, Andressa Maria Coelho Ferreira, Daniele Petry Zwirtes, Elenise Nunes, Silvana Bastos Stumm, Martin Töws

Resumo


A qualidade das atividades educacionais depende fortemente das condições acústicas das salas de aula. Este artigo apresenta uma avaliação de dois métodos teóricos de cálculo para o Tempo de Reverberação (TR) em salas de aula, fundamentados na fórmula de Sabine e de Hohmann, Setzer e Wehling. Como objeto de estudo foram utilizadas salas de aula da Universidade Federal do Paraná (UFPR), localizadas no Campus III, Setor de Tecnologia, Bloco IV, situadas na cidade de Curitiba, Brasil. Para corroborar os valores encontrados com a aplicação das fórmulas, foram realizadas medições de TR in situ. Os resultados obtidos mostram a Equação de Sabine Modificada (Método Indireto) como a mais indicada, por se aproximar dos valores de tempos de reverberação experimentais.

Palavras-chave


acústica; conforto acústico; tempo de reverberação; salas de aula

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: