Estética urbana: uma análise através das ideias de ordem, estímulo visual, valor histórico e familiaridade

Antônio Tarcísio da Luz Reis, Camila Damiani Biavatti, Maria Lourdes Pereira

Resumo


Este artigo examina a dicotomia entre a abordagem da estética filosófica e a da estética empírica, assim como os impactos da estética formal e da estética simbólica, a partir das respostas de usuários do espaço urbano de Porto Alegre. São investigados os impactos estéticos causados por cenas urbanas com diferentes níveis de ordem e estímulo visual, com e sem valor histórico, e com diferentes níveis de familiaridade. É também examinada a existência ou não de diferenças entre as respostas estéticas de arquitetos, não arquitetos com curso superior e pessoas com o primeiro ou segundo grau. Ainda, são identificadas as razões para as avaliações realizadas por esses três grupos. Os principais resultados evidenciam o potencial da estética empírica em explicar as avaliações estéticas e revelam o impacto positivo e preponderante da ideia de ordem e estímulo visual em tais avaliações.


Palavras-chave


Estética urbana; Ordem; Estímulo visual; Valor historico; Familiaridade

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: