Modo de ruptura, deformabilidade e resistência de pequenas paredes estruturais

Gihad Mohamad, Eduardo Rizzatti, Humberto Ramos Roman

Resumo


O sistema construtivo em alvenaria estrutural é largamente utilizado no Brasil e um dos principais desafios existents é como aumentar o desempenho mecânico das paredes estruturais. Para isso, é necessário conhecer as propriedades mecânicas responsáveis pela ruptura do conjunto (bloco/argamassa). Neste trabalho pretende-se avaliar a resistência a tração direta dos blocos de concreto e verificar a deformabilidade e modo de ruptura de pequenas paredes estruturais, a fim de compreender os fenômenos envolvidos na ruptura do conjunto e, por consequência, aumentar o desempenho à compressão. Como conclusão do trabalho, observou-se que o surgimento das não-linearidades da alvenaria correspondeu ao aumento das deformações laterais, devido à extensiva fissuração do material e a um aumento progressivo do coeficiente de Poisson da parede. O início das trincas verticais deu-se na interface bloco/argamassa da junta vertical, sendo este o ponto frágil do conjunto bloco/argamassa. Isso aconteceu quando a tensão atingiu, aproximadamente, 60% da tensão última de ruptura.


Palavras-chave


Alvenaria estrutural; Deformabilidade; Pequenas paredes estruturais; Modo de ruptura

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: