A programação arquitetônica sob a ótica da ergonomia: um estudo de caso no setor público

Claudia Bartolo Patterson, Júlia Issy Abrahão

Resumo


A falta de correspondência entre o ambiente construído e o uso de edifícios destinados ao Judiciário brasileiro sugere a dificuldade dos arquitetos em atender, nos seus projetos, os requisitos qualitativos e quantitativos das necessidades dos servidores e da organização. A associação da abordagem da ergonomia da atividade à programação arquitetônica foi realizada para atender à demanda de um novo edifício sede para um órgão judicial. O presente artigo pretende definir parâmetros, fundamentados em procedimentos metodológicos, como suporte para o processo de programação. A equipe multidisciplinar envolvida com a investigação facilitou a articulação das diferentes etapas da análise ergonômica do trabalho. A formação de grupos focais possibilitou a coleta dos dados por meio das representações dos servidores das diferentes unidades do órgão. A definição de módulos de áreas, fundamentada nos dados coletados, permitiu que elementos qualitativos fossem incorporados no projeto. Ressalta-se a importância do tema na para a consideração dos edifícios projetados para o setor público.


Palavras-chave


Arquitetura; Ergonomia; Programação arquitetônica; Análise ergonômica do trabalho

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: