A importância da segregação do agregado reciclado na resistência e na durabilidade do concreto estrutural

Pedro Valle Salles, Camila Lacerda Gomes, Flávia Spitale Jacques Poggiali, Conrado de Souza Rodrigues

Resumo


A heterogeneidade dos resíduos de construção e demolição dificulta seu uso sistemático, consequentemente, têm-se problemas com a disposição final e a contínua extração e uso de recursos não renováveis para fabricação de concretos. Essa heterogeneidade decorre, majoritariamente, da não segregação dos diversos constituintes dos resíduos durante seu processamento. O presente artigo analisa a necessidade da segregação dos resíduos de construção e demolição em diferentes tipos – cerâmicas de argila e cimentícios – e as consequências da utilização desses materiais como substituintes dos agregados naturais graúdos em concretos estruturais. Para tanto, foram fabricados concretos com 0, 25, 50 e 100% de agregados reciclados, sendo três tipos de resíduos utilizados: cimentícios, cerâmicos e uma mistura dos dois, nas proporções obtidas na usina de reciclagem. As conclusões apontam não ser necessária a segregação do resíduo utilizado, uma vez que os resultados apresentam desempenho similar dos concretos com agregados cimentícios e com agregados mistos. As performances reológica e mecânica são parâmetros afetados negativamente pela adição de resíduos. Já o desempenho com relação à durabilidade pode ser melhorado com o uso de agregados reciclados.


Palavras-chave


Segregação de Resíduos de Construção e Demolição; Concreto; Durabilidade; Caracterização Mecânica

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2021 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: