A certificação de desempenho ambiental de prédios: exigências usuais e novas atividades na gestão da construção

Rossana Piccoli, Andrea Parisi Kern, Marco Aurélio Stumpf González, Ercília Hitomi Hirota

Resumo


Sistemas de certificação ambiental de edifícios têm sido desenvolvidos, em diversos países, em decorrência dos significativos impactos ambientais causados pela construção civil. No Brasil já existem alguns empreendimentos certificados e outros em processo de certificação, ainda que seguindo sistemas estrangeiros. Em síntese, esses sistemas de certificação são compostos de critérios de avaliação que consideram diferentes aspectos ambientais, organizados em categorias. A certificação é concedida de acordo com o desempenho do edifício diante desses critérios. O presente artigo discute as peculiaridades na gestão da construção de edifícios candidatos a essa modalidade de certificação, identificando-se atividades usuais e novas atividades, quando comparadas à gestão da construção de edifícios, sem o interesse na certificação. Como estratégia de pesquisa realizou-se um estudo de caso durante a fase de produção de um prédio comercial que buscou a certificação de nível Gold do sistema norte-americano LEED. Os resultados apontam que o sistema de certificação exigiu atividades usualmente realizadas na fase de projeto, porém com um nível maior de envolvimento por parte dos projetistas. Na fase de produção, além de maiores exigências nas atividades tradicionalmente realizadas, identificaram-se novas atividades de gestão para a empresa construtora, assim como a necessidade de disponibilizar informações técnicas dos produtos por parte dos fornecedores de materiais e componentes.


Palavras-chave


Construção civil; Impactos ambientais; Certificação ambiental de edifícios

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: