Baixa luminosidade em sala de parto: vivências de enfermeiras obstétricas

Lívia Shélida Pinheiro Rodrigues, Antonieta Keiko Kakuda Shimo

Resumo


Objetivo: Compreender as vivências de enfermeiras obstétricas que atenderam ao parto em ambiente com baixa luminosidade.
Métodos: Estudo qualitativo, exploratório e descritivo. Realizou-se entrevista com oito enfermeiras obstétricas, em um hospital
municipal de São Paulo, entre dezembro de 2015 e março de 2016. Os dados foram analisados por análise temática de conteúdo
proposta por Bardin.
Resultados: Foram apreendidas três temáticas: 1- Benefícios atribuídos à baixa luminosidade em sala de parto; 2- Dificuldades
atribuídas à baixa luminosidade em sala de parto e 3- Efeitos da baixa luminosidade sobre a atuação do profissional.
Conclusões: A baixa luminosidade pode tornar o parto mais tranquilo e aumentar a atenção ao momento vivido pela mulher e seu
bebê, proporcionando autonomia para a mulher e atendimento humanizado por parte da equipe. Surgiram como dificuldades, a
dinâmica de trabalho do setor e a falta de familiaridade com o método, por parte de alguns profissionais e parturientes.
Palavras-chave: Iluminação. Enfermagem obstétrica. Percepção. Pessoal de saúde. Pesquisa qualitativa.


Palavras-chave


Iluminação. Enfermagem obstétrica. Percepção. Pessoal de saúde. Pesquisa qualitativa.

Texto completo:

Português English


ATENÇÃO: AS SUBMISSÕES PARA A RGE DEVEM SER REALIZADAS NO SEGUINTE ENDEREÇO:

https://mc04.manuscriptcentral.com/rgenf-scielo

 
              

 SCImago Journal & Country Rank

 

ISSN 0102-6933 E-ISSN 1983-1447