Crianças em seguimento ambulatorial: perspectivas do atendimento evidenciadas por entrevista com fantoche

Ana Carolina Andrade Biaggi Leite, Willyane de Andrade Alvarenga, Júlia Rezende Machado, Letícia Falsarella Luchetta, Rebecca Ortiz La Banca, Valéria de Cássia Sparapani, Rhyquelle Rhibna Neris, Denisse Cartagena-Ramos, Miguel Fuentealba-Torres, Lucila Castanheira Nascimento

Resumo


Objetivo: Analisar a perspectiva da criança sobre a própria condição de saúde, suas experiências
relacionadas ao atendimento ambulatorial hospitalar e ao uso de fantoches como estratégia lúdica
para a coleta de dados.
Método: Estudo qualitativo, incluiu 16 crianças diagnosticadas com doenças crônicas, recrutadas
em um ambulatório pediátrico do interior paulista. Os dados foram coletados em outubro de 2016
mediante entrevista semiestruturada e utilizou-se o fantoche como recurso facilitador na
comunicação. As entrevistas foram analisadas por meio da análise temática indutiva.
Resultados: Foram construídos quatro temas: “criança em seguimento ambulatorial: o que elas
sabem?”; “emoções que perpassam o seguimento ambulatorial”; “o ambulatório dos meus sonhos”;
e “a utilização dos fantoches e o universo lúdico da entrevista”.
Considerações finais: Foi possível identificar o motivo e os principais sentimentos vivenciados
durante o atendimento ambulatorial, assim como as preferências das crianças acerca dos aspectos
físicos e estruturais do ambulatório.
Palavras-chave: Enfermagem pediátrica. Assistência ambulatorial. Doença crônica. Criança. Jogos
e brinquedos.


Palavras-chave


Enfermagem pediátrica. Assistência ambulatorial. Doença crônica. Criança. Jogos e brinquedos.

Texto completo:

Português English


ATENÇÃO: AS SUBMISSÕES PARA A RGE DEVEM SER REALIZADAS NO SEGUINTE ENDEREÇO:

https://mc04.manuscriptcentral.com/rgenf-scielo

 
              

 SCImago Journal & Country Rank

 

ISSN 0102-6933 E-ISSN 1983-1447