Práticas integrativas e complementares como recurso de saúde mental na Atenção Básica

Jessica Liz da Silva Carvalho, Maria do Perpétuo Socorro de Sousa Nóbrega

Resumo


Objetivo: Verificar o conhecimento dos profissionais atuantes na Atenção Básica sobre as Práticas Integrativas e Complementares (PIC) e se as percebem como um recurso de cuidado em Saúde Mental.

Método: Estudo quantitativo, realizado com 70 profissionais de uma Unidade Básica de Saúde no município de São Paulo entre maio e junho de 2016. Dados coletados mediante questionário elaborado pelas pesquisadoras. Para análise estatística considerou-se a distribuição de frequência das variáveis e o teste de Fisher.

Resultados: Os profissionais afirmam conhecer alguma PIC (73,9%), que usuários do serviço com questões de Saúde Mental se beneficiariam das mesmas (94,2%), que gostariam de receber capacitação (91,3%), e consideradas uma possibilidade de recurso para o cuidado em Saúde Mental por 92,8%.

Conclusão: O conhecimento dos profissionais precisa ser aprofundado. Ainda assim, os mesmos consideram as PIC como um recurso em Saúde Mental na Atenção Básica.

Palavras-chave: Terapias complementares. Atenção primária à saúde. Saúde mental.


Palavras-chave


Terapias complementares. Atenção primária à saúde. Saúde mental.

Texto completo:

Português English


ATENÇÃO: AS SUBMISSÕES PARA A RGE DEVEM SER REALIZADAS NO SEGUINTE ENDEREÇO:

https://mc04.manuscriptcentral.com/rgenf-scielo

 
              

 SCImago Journal & Country Rank

 

ISSN 0102-6933 E-ISSN 1983-1447