Adesão dos profissionais de terapia intensiva aos cinco momentos da higienização das mãos

Luccas Melo de Souza, Maríndia Fernandes Ramos, Evelin Santos da Silva Becker, Lisiani Celina da Silva Meirelles, Suzana Aparecida Oliveira Monteiro

Resumo


Objetivo: Identificar a adesão dos profissionais de saúde de uma Unidade de Terapia Intensiva aos cinco momentos de higienização das mãos.
Método: Estudo transversal analítico, com abordagem quantitativa, embasado em dados secundários de um banco de dados de um Serviço de Controle de Infecção Hospitalar de uma instituição do sul do Brasil. Foram analisadas 793 observações de julho a dezembro de 2012.
Resultados: Em 446 (56,2%) observações, não ocorreu a higienização das mãos, ficando a taxa de adesão em 43,7%. A maior adesão à higienização das mãos foi dos fisioterapeutas (53,5%) e a menor, dos técnicos de enfermagem (29,2%). As indicações com menor adesão à higienização das mãos foram “antes do contato com o paciente” (18,4%) e “antes de procedimento asséptico” (20,9%).
Conclusão: A prática de higienização das mãos está distante das diretrizes nacionais e internacionais, principalmente frente ao cenário atual de aumento de infecções por microrganismos multirresistentes.
Palavras-chave: Enfermagem. Terapia intensiva. Infecção hospitalar. Higiene das mãos. Desinfecção das mãos. Segurança do paciente.


Palavras-chave


Enfermagem. Terapia intensiva. Infecção hospitalar. Higiene das mãos. Desinfecção das mãos. Segurança do paciente.

Texto completo:

PORTUGUÊS ENGLISH


ATENÇÃO: AS SUBMISSÕES PARA A RGE DEVEM SER REALIZADAS NO SEGUINTE ENDEREÇO:

https://mc04.manuscriptcentral.com/rgenf-scielo

 
              

 SCImago Journal & Country Rank

 

ISSN 0102-6933 E-ISSN 1983-1447