O impacto das estratégias de enfrentamento na intensidade de estresse de enfermeiras de hemato-oncologia

Juliane Umann, Rodrigo Marques da Silva, Sonia Betzabeth Ticona Benavente, Laura de Azevedo Guido

Resumo


Objetivou-se avaliar o impacto das estratégias de enfrentamento na intensidade de estresse dos enfermeiros de hemato-oncologia. Estudo transversal analítico realizado com 18 enfermeiras entre março e abril de 2010. Aplicou-se um formulário para caracterização sociodemográfica, a Escala de Coping Ocupacional para as estratégias de enfrentamento e o Inventário de Estresse em Enfermeiros para avaliação do estresse. Para análise dos dados, utilizou-se o Teste de Correlação de Pearson e regressão linear. Não houve correlação significativa entre as estratégias de enfrentamento e a intensidade de estresse. Contudo, na análise de dispersão, o uso das estratégias de Esquiva e Controle elevaram a intensidade de estresse e uso do Manejo de Sintomas minimizou sua intensidade. O menor tempo de trabalho na instituição e ter pós-graduação implicaram em maior estresse. Conclui-se que a estratégia Manejo de Sintomas tem
impacto positivo sobre o estresse dos enfermeiros de hemato-oncologia uma vez que é efetiva para minimizá-lo neste setor de trabalho hospitalar, onde a reduzida perspectiva de cura e a cronicidade dos pacientes são inerentes ao trabalho e dificultam ações proativas e de evitação.


Palavras-chave


Enfermagem; Enfermagem Oncológica; Estresse psicológico; Saúde do Trabalhador.

Texto completo:

Português English


ATENÇÃO: AS SUBMISSÕES PARA A RGE DEVEM SER REALIZADAS NO SEGUINTE ENDEREÇO:

https://mc04.manuscriptcentral.com/rgenf-scielo

 
              

 SCImago Journal & Country Rank

 

ISSN 0102-6933 E-ISSN 1983-1447