RISCO DE VIDA E NATUREZA DO SAMU: DEMANDA NÃO PERTINENTE E IMPLICAÇÕES PARA A ENFERMAGEM

Andréa Márian Veronese, Dora Lúcia Leidens de Oliveira, Karoline Nast

Resumo


O artigo faz um recorte na análise realizada em um estudo qualitativo, desenvolvido em 2009, cujo objetivo foi
investigar a demanda de pedidos de socorro ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência/Porto Alegre (SAMU),
por ele classificada como não pertinente. As informações foram obtidas em 16 entrevistas semiestruturadas, realizadas
com os solicitantes desta demanda, utilizando-se, como orientação metodológica, a Teoria Fundamentada nos Dados.
O artigo aborda o conteúdo da subcategoria “Entrando em conflito com a regulação do SAMU na avaliação do risco
de vida”, enfocando as divergências entre a regulação e a percepção dos usuários sobre o funcionamento do serviço
e significado de “risco de vida”, fatores implicados na construção da demanda não pertinente. A importância da
Enfermagem, neste cenário, está na sua competência para realizar ações de educação em primeiros socorros e para
participar de projetos intersetoriais capazes de intervir em situações geradoras de vulnerabilidade.

Palavras-chave


Serviços de saúde, Serviços médicos de emergência, Risco, Enfermagem em Emergência, Promoção da Saúde.

Texto completo:

PDF


ATENÇÃO: AS SUBMISSÕES PARA A RGE DEVEM SER REALIZADAS NO SEGUINTE ENDEREÇO:

https://mc04.manuscriptcentral.com/rgenf-scielo

 
              

 SCImago Journal & Country Rank

 

ISSN 0102-6933 E-ISSN 1983-1447