COMPORTAMENTO ALIMENTAR E IDOSOS: UM ESTUDO SOBRE A ESTÉTICA E A GASTRONOMIA

Jennifer Lacerda, Angélica Bezerra Gomes, Isabelle Patriciá Freitas Soares Chariglione, Gislane Ferreira De Melo, Marileusa Dosolina Chiarello

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi avaliar a percepção de diferentes preparações gastronômicas entre idosos. Participaram desta pesquisa 38 idosos (idade = 67,65, DP = ± 6,15), que degustaram uma preparação montada de duas formas, uma mais e outra menos estética. Esses idosos responderam a um questionário semiestruturado para os dados sociodemográficos, além de medidas hedônicas relacionadas às preparações e medidas psicológicas para avaliação dos estados de humor. Para análise dos dados, foram utilizados os testes Shapiro-Wilks, Wilcoxon, Mann Whitney e Kruskal-Wallis. Além disso, optou-se por trabalhar com o delta da diferença com três grupos, de acordo com a sua preferência de prato, utilizando o teste Qui-Quadrado (Monte Carlo). Os resultados demonstraram que o prato mais estético foi melhor avaliado por todos os idosos (p = 0,000), que o prato mais estético foi percebido como maior quantidade de sal quando dividido por faixa etária (p = 0,020), não havendo diferença entre idosos e idosas (p ≥ 0,05). Também não foram encontradas diferenças quanto às percepções pelo fato de o idoso cozinhar ou não, tampouco pela presença de ansiedade e depressão, visto que o grupo tinha baixos escores dessas. Assim, a utilização de pratos mais estéticos na gastronomia pode vir a favorecer a melhora do comportamento alimentar neste grupo, assim como melhorar a percepção de gostos, especialmente do salgado, que é diminuído no processo de envelhecer.


Palavras-chave


Gastronomia; Estética; Idoso; Percepção visual

Texto completo:

PDF

Referências


AKUTSU, Rita de Cássia et al. A ficha técnica de preparação como instrumento de qualidade na produção de refeições. Revista de Nutrição. Campinas, v. 18, n. 2, p. 277-279, 2005.

BECK, Aaron; STEER, Robert. Manual for the Beck anxiety inventory. San Antonio, TX: Psychological Corporation, 1990.

BOURDIEU, Pierre. Distinction: A social critique of the judgement of taste. Harvard university press, Cambridge,1984.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BRAUNE, Renata; FRANCO, Silvia Cintra. O que é Gastronomia. São Paulo (SP): Brasiliense, 2017.

BRILLAT-SAVARIN, Jean Anthelme. Physiologie du goût. Charpentier, Paris,1841.

BUENO, Júlia Macedo et al. Avaliação nutricional e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos pertencentes a um programa assistencial. Ciência &. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 1237-1246, 2008.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre (Orgs.). A invenção do cotidiano 2: morar, cozinhar. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

CHIACHIRI FILHO, Antônio Roberto. O sabor das imagens. 2008. 144 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

CUNHA, Jurema Alcides. Manual da versão em português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo. Psychological Corporation. 2001.

DELGADO, Eduardo Francisquine et al. Brazilian consumers' perception of tenderness of beef steaks classified by shear force and taste. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 63, n. 3, p. 232-239, 2006.

DOUGLASS, Rebecca; HECKMAN, George. Drug-related taste disturbance a contributing factor in geriatric syndromes. Canadian Family Physician, Ontário, v. 56, n. 11, p. 1142-1147, 2010.

FONSECA, Marcelo Traldi. Tecnologias gerenciais de restaurantes. São Paulo: Editora Senac, 2000.

FREYRE, Gilberto. Açúcar. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.

MENEGAZZO, Manoela et al. Avaliação qualitativa das preparações do cardápio de centros de educação infantil. Revista Nutrição, Campinas, v. 24, n. 2, p. 243-251, 2011.

MOJET, Jos; CHRIST-HAZELHOF, Elly; HEIDEMA, Johannes. Taste perception with age: generic or specific losses in threshold sensitivity to the five basic tastes? Chem Senses, Oxford, v. 26, n. 7, p. 845-860, 2001.

MONTEIRO, Marlene. Percepção sensorial dos alimentos em idosos. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 10, n. 2, p. 34-42, 2009.

MOREIRA, Morvan Melo. O envelhecimento da população brasileira: intensidade, feminização e dependência. Revista Brasileira de Estudos de População, Brasília, v. 15, n. 1, p. 79-94, 2014.

NASCIMENTO, Angelina de Aragão Bulcão Soares. Comida: prazeres, gozos e transgressões. Salvador: EDUFBA, 2007.

NEUMANN, Luisa; SCHAUREN, Bianca Coletti; ADAMI, Fernanda Sherer. Sensibilidade gustativa de adultos e idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia., Rio de Janeiro, v. 19, n. 5, p. 797-808, 2016.

OLIVEIRA, Ramalho Sandra. Sentidos à mesa: saberes além dos sabores. São Paulo: Rosari, 2010.

OLIVEIRA-PINTO, Ana V. et al. Sexual dimorphism in the human olfactory bulb: females have more neurons and glial cells than males. PloS one, San Francisco, v. 9, n. 11, p. e111733, San Francisco, CA., 2014.

PIMENTEL, Márcia Ulhôa. Considerações acerca da importância da inclusão da dimensão estética em produto final de um buffet direcionado para clientes classe “A” e “B”. 2009. 36 f. Monografia (Especialização em Gestão de Hospitalidade) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

RIBEIRO, Sara Inês Diogo. O comportamento dos consumidores de vinho em Portugal: impacto do género. 2014. 52 f. Dissertação (Mestrado em Marketing) - Instituto Superior de Economia e Gestão, Lisboa, Portugal, 2014.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de pesquisa. 5 ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SIMCHEN, U. et al. Odour and taste sensitivity is associated with body weight and extent of misreporting of body weight. European journal of clinical nutrition, Germany, v. 60, n. 6, p. 698, 2006.

STRATI, A. Organização e estética. Tradução de Pedro Maia Soares. Rio de Janeiro: FGV, 2007. 320 p.

TEIXEIRA, Lilian Viana. Análise sensorial na indústria de alimentos. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora v. 64, n. 366, p. 12-21, 2009.

VAZ, D. S. S.; BENNEMANN, R. M. Comportamento alimentar e hábito alimentar: uma revisão. Revista UNINGÁ Review, v. 20, n. 1, p. 108-112, out./dez. 2014.

VEIROS, Marcela Boro.; PROENÇA, Rossana Avaliação qualitativa das preparações do cardápio em uma unidade de alimentação e nutrição - método AQPC. Nutrição em Pauta, v. 11, n. 62, p. 36-42, Campo Belo, 2003.

VISMARI, Luciana; ALVES, Glaucie Jussilane.; PALERMO-NETO, João. Depressão, antidepressivos e sistema imune: um novo olhar sobre um velho problema. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 35, n. 5, p. 196-204, 2008.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2