O MUSEU COMO CONTEXTO DE EDUCAÇÃO COMUNITÁRIA: UM PROJETO DE PROMOÇÃO DO ENVELHECIMENTO BEM SUCEDIDO

Maria Conceição Antunes, Carla Susana Jesus

Resumo


A intervenção aqui descrita resultou de um trabalho de investigação/intervenção desenvolvido com população idosa a frequentar uma oficina de educação de adultos, num museu, cuja finalidade se centrou na promoção do envelhecimento ativo através da animação sociocultural. Abrangeu um grupo de 37 participantes com idades compreendidas entre os 40 e os 90 anos. Recorrendo ao paradigma interpretativo-hermenêutico, foi desenvolvido um trabalho de investigação-ação participativa utilizando as técnicas de animação sociocultural, enquanto metodologias que fomentam a motivação e participação da população-alvo do projeto. Partindo dos interesses, necessidades e potencialidades dos participantes foram desenvolvidos 4 ateliers: Atividades Físicas; Desenvolvimento Interpessoal; (In)Formação e Expressão Artística onde foram dinamizados diversos tipos de atividades a nível físico, cognitivo, lúdico, social e afetivo, que permitiram desenvolver as capacidades funcionais do idoso (mobilidade, memória, criatividade, reflexão crítica); fomentar o convívio e as relações interpessoais. A intervenção teve resultados positivos dado que na avaliação final os participantes destacaram os benefícios do projeto, nomeadamente, aos níveis do bem-estar físico e psicológico, do relacionamento interpessoal e da aquisição de novas aprendizagens. Este projeto reiterou a importância da animação sociocultural como intervenção promotora de aprendizagens, do bem-estar e da qualidade de vida junto da população idosa.


Palavras-chave


Envelhecimento Ativo; Museu; Divulgação Cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDER-EGG, Ezequiel. Repensando la investigacion-acción participativa. Comentários, críticas y sugerencias. México: Editorial El Ateneo, 1990.

ARAÚJO, Daniela. Envelhecimento e qualidade de vida. Um desafio para a intervenção junto da população idosa institucionalizada. In: ANTUNES, Maria Conceição; LEANDRO, Engrácia (Coord.). Envelhecimento. Perspetivas, projetos e práticas inovadoras. V.N. Famalicão: Humus, 2016. p.119-135.

ASSIS, Mónica. Envelhecimento activo e promoção da saúde: Reflexão para as acções educativas com os idosos. Revista Atenção Primária à Saúde, Juíz de Fora, v. 8, p.15-24, jan./jun. 2005.

ALCARCÃO, Isabel. Formação reflexiva de professores. Estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora,1996.

ANTUNES, Maria Conceição. Educar para um envelhecimento bem sucedido: reflexões e propostas de ação. Revista Teoría de la Educación, Salamanca, v.27, n.2, p.185-201, 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2014.

BELL, Judith. Como realizar um projecto de investigação. Lisboa: Gradiva,1993.

BOGDAN, Robert ; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora,1994.

CHADWICK, Alan.; STANNET, Annette (Ed.) Museums and the education of adults. England – Leicester: Niace, 1995.

CUNHA, Maria. Animação educativa através do teatro: um projecto de intervenção na área de educação de adultos. Braga: Instituto de Educação - Universidade do Minho. Dissertação de Mestrado em Educação, área de Especialidade de Educação de Adultos - Instituto de Educação - Universidade do Minho, Braga, 2000.

FLICK, Uwe. Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa: Monitor, 2005.

GHIGLIONE, Rodolphe; MATALON, Benjamin. O inquérito: teoria e prática. Oeiras: Celta Editora, 2001.

GUERRA, Isabel. Fundamentos e processos de uma sociologia de acção. O planeamento em ciências sociais. Coimbra: Principia, 2002.

JACOB, Luís. Animação de idosos. Porto: Âmbar, 2007.

KACHAR, Vitória (Org.) Longevidade: um novo desafio para a educação. São Paulo: Cortez, 2001.

LÉSSARD-HERBERT, Michelle; GOYETTE, Gabriel; BOUTIN, Gérard. Investigação qualitativa. Fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2008.

ESTRELA, Albano; NÓVOA, António (Org.). Avaliações em educação: Novas perspectivas. Porto: Porto Editora,1993.

OMS. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasil: Organização Pan Americana da Saúde, 2005.

OSÓRIO, Augustin Requejo. Animação sociocultural na terceira idade. IN: TRILLA, Jaume (Coord.). Animação sociocultural: teorias, programas e âmbitos. Lisboa: Instituto Piaget, 2005. p. 251-263.

OSÓRIO, Augustin Requejo. Educação permanente e educação de adultos. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

OLIVEIRA, Barros. Psicologia do envelhecimento e do idoso. Porto: Livpsic, 2008.

PAÚL, Constança. Envelhecimento activo e redes de suporte social. Sociologia, Porto, v.25, p. 275-287, 2005.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva, 1992.

REIS, Mercedes. Humanização da instituição hospitalar - contributo da prática voluntária.2010.http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/15040/1/Mercedes%20Peixoto%20dos%20Reis.pdf. Acesso em: 27 nov. 2012.

RIBEIRO, Óscar; PAÚL Constança (Coords). Manual do envelhecimento activo. Lisboa:LIDEL, Edições Técnicas, 2012.

SILVA, Aurora. Envelhecimento Activo, Educação e promoção da saúde na população idosa.2010.http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/15126/1/Aurora%20de%20F%C3%A1tima%20Barbosa%20da%20Silva.pdf. Acesso em: 27 nov. 2012.

SOUSA, Sara (2016). Academia sénior. Viver bem…envelhecer melhor. In: ANTUNES, Maria Conceição; LEANDRO, Engrácia (Coord). Envelhecimento. Perspetivas, projetos e práticas inovadoras . V.N. Famalicão: Humus, 2016. p. 137-154.

SOUSA, Elsa; OLIVEIRA, Clara. Viver a (e para) aprender: uma intervenção-ação para a promoção do envelhecimento ativo. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontotologia, Rio de Janeiro, v.18, n.2, p.405-415, 2015.

ÚCAR, Xavier. La animación sociocultural. Barcelona: Ed. Ceac, 1992.

ZIMERMAN, Guite. Velhice: aspetos biopsicossociais. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2000.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2