MUDANÇAS NO PROCESSAMENTO COGNITIVO EM ADULTOS IDOSOS: DÉFICITS OU ESTRATÉGIAS ADAPTATIVAS?

Rochele Paz Fonseca, Bernadette Ska, Lilian Cristine Scherer, Camila Rosa de Oliveira, Maria Alice de Mattos Pimenta Parente, Yves Joanette

Resumo


O presente ensaio teórico visa a discutir a natureza das mudanças cognitivas advindas do envelhecimento saudável, em busca de respostas para o questionamento “As mudanças na cognição de adultos idosos representam déficits”? O envelhecimento normal é acompanhado de modificações no funcionamento cognitivo. As mais freqüentes englobam alguns componentes da memória, da atenção, das habilidades visuo-espaciais. Tais mudanças são moduladas pelas reservas cognitivas de que os indivíduos dispõem e pela maneira como estes continuam a mantê-las e explorá-las. Devido à plasticidade cerebral, seguem havendo adaptações durante o envelhecimento para que um mesmo nível de processamento cognitivo seja mantido. Essas adaptações tendem a ser consideradas como evidências de um declínio cognitivo, caracterizando uma conotação mais negativa do desenvolvimento cronológico. Podem, ainda, ser compreendidas como um indício da aplicação de estratégias cognitivas, o que corresponde a uma noção desenvolvimental não pejorativa. Após uma análise crítico-reflexiva da literatura, o questionamento inicial sobre o caráter deficitário ou adaptativo das mudanças cognitivas com o avançar da idade parece rumar para a resposta contra a noção de que todas as modificações na cognição representam um déficit. Assim sendo, a concepção da ocorrência de uma adaptação de estratégias para a manutenção do processamento cognitivo é reforçada.

Palavras-chave


Envelhecimento; Cognição; Estratégias adaptativas

Texto completo:

PDF


Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2