QUALIDADE DE VIDA DA PESSOA IDOSA CONFORME NÍVEL DE INSTITUCIONALIZAÇÃO

Andrea Mendes Araújo, José Ângelo Gonçalves Bós

Resumo


Introdução: Pesquisas apontam efeito negativo da institucionalização da pessoa idosa para a sua qualidade de vida. Objetivo: Avaliar possíveis diferenças na qualidade de vida da pessoa idosa em lista de espera para residir em instituição de longa permanência (espera), residente em instituição (residente), e daquele que não está em lista de espera (não espera). Método: Estudo transversal. Entrevistados 50 componentes de cada grupo, pareados por sexo, idade e escolaridade. Utilizados os instrumentos WHOQOL BREF e WHOQOL OLD. Resultados: Encontrou-se diferença significativa em todos os domínios e questões do WHOQOL BREF entre os três grupos, com médias do escore total de: 62,0±10,61, 44,1±13,63 e 68,8±7,07, respectivamente, para residente, espera e não espera. Importantes diferenças também foram identificadas na avaliação do WHOQOL OLD. O escore total do residente: 60,4±9,88; espera: 48,5±12,15 e não espera: 68,5±7,90 (p<0,0001). Conclusão: A institucionalização não proporciona piora na qualidade de vida da pessoa idosa, a percepção dessa pode já estar comprometida quando se procura a institucionalização.  


Palavras-chave


Envelhecimento. Idoso. Qualidade de Vida. Listas de espera

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, ANTÔNIO JOSÉ PEREIRA DOS SANTOS; RODRIGUES, VITOR MANUEL COSTA PEREIRA A qualidade de vida da pessoa idosa institucionalizada em lares. Rev Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, n.1, p. 1025-31, 2008.

BELTRAME, VILMA. Qualidade de vida de idosos diabéticos. 2008, 101f. Tese (Doutorado em Gerontologia Biomédica) - Pontifícia Universidade Católica, RS Porto Alegre, 2008.

BRAGA, MARIA CECÍLIA PORTUGAL. Qualidade de vida medida pelo WHOQOL BREF: Estudo com idosos residentes em Juiz de Fora. Revista Atenção Primária à Saúde, Juiz de Fora, n. 1, p. 93-100, 2011.

BRASIL. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 20 de maio. 2006

BRASIL. Resolução nº196 de 10 de outubro de 1996. Estabelece normas para as pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial, Brasília.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Saúde pública. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL. Sistema de Informações sobre Mortalidade. DATASUS. Disponível

em:. Acesso em: 01 Fev. 2014.

CAMARANO, ANA AMÉLIA; KANSO, SOLANGE. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, n.1, p. 232-35, 2010a.

CAMARANO, ANA AMÉLIA; KANSO, SOLANGE. Como as famílias brasileiras estão lidando com idosos que demandam cuidados e quais as perspectivas futuras? a visão mostrada pelas PNADS. In: CAMARANO, A.A(Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA, 2010a. p. 93-122.

CARVALHO, JOSÉ ALBERTO MAGNO; GARCIA, RICARDO ALEXANDRINO. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Caderno de Saúde Publica, Rio de Janeiro, n. 3, p. 725-33, 2003.

CAMARANO, ANA AMÉLIA; PASINATO, MARIA TEREZA. O envelhecimento populacional na agenda das políticas públicas. In: CAMARANO, A.A. Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio de Janeiro: IPEA, 2004. p. 253-292.

CAMARANO, ANA AMÉLIA; SCHARFSTEIN, ELOISA ADLER. Instituição de longa permanência para idosos: abrigo ou retiro? In: CAMARANO, A.A(Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA, 2010. p. 163-86.

CHRISTOPHE, MICHELINE; CAMARANO, ANA AMÉLIA. Dos asilos às instituições de longa permanência: uma história de mitos e preconceitos? In: CAMARANO, A.A(Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA, 2010. p. 145-62.

DANILOW, MILENA.ZAMIAN. et al. Perfil epidemiológico e psicossocial de idosos institucionalizados do Distrito Federal. Comunicação em Ciências da Saúde, Brasília, n.1 p. 9-16, 2007.

DIAS, DANIELA SILVA GONÇALVES; CARVALHO, CAROLINA SILVA; ARAÚJO, CARVALHO VANESSA. Comparação da percepção subjetiva de qualidade e bem-estar de idosos que vivem sozinhos, com a família e institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, n. 1, p. 127-138, 2013.

FLECK, M.P.A. Problemas conceituais e qualidade de vida. In:______(Org.). A avaliação de qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 19-28.

FLECK, M.P.A. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação de qualidade de vida WHOQOL BREF. Revista de Saúde Pública, n. 2, p. 178-83, 2000.

FREITAS, MARIANA AYRES VILHENA; SCHEICHER, MARCOS EDUARDO. Qualidade de vida de idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, n. 3, p. 395-402, 2010.

FOLSTEIN, MARSHAL.F; FOLSTEIN, SUZAN.E; MCHUGH, PAUL.R. Mini-mental State: a practical method for grading the conective state of patients for the clinician. Journal Psychiatric Research, n. 12, p. 189-98, 1975.

LITIVOC, JÚLIO; BRITO, FRANSCISCO CARLOS. Envelhecimento: prevenção e promoção da saúde. São Paulo: Atheneu, 2004.

MINAYO, MARIA CECÍLIA DE SOUSA; HART, ZULMIRA MARIA DE ARAÚJO; BUSS, PAULO MARCHIORI. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 1 p. 7-18, 2000.

MINCATO, PAULA CRISTINA; FREITAS, CÍNTIA LA ROCHA. Qualidade de vida dos idosos residentes em instituições asilares da cidade de Caxias do Sul-RS. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento, Passo Fundo, n. 1, p. 127-38, 2007.

NÉRI, ANITA LIBERALESSO. Atitudes e preconceitos em relação à velhice. In: ______.(Org.). Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007. p. 33-46.

NERI, ANITA LIBERALESSO. Palavras-chave em gerontologia. 3. ed. Campinas: Alínea, 2008.

NERI, ANITA LIBERALESSO. Desafios ao bem-estar físico e psicológico enfrentados por idosos cuidadores no contexto da família: Dados do fibra Campinas. In: CAMARANO, A.A.(Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: IPEA, 2010. p. 303-36.

NUNES, VILANE MEDEIROS DE ARAÚJO; MENESES, REJANE MARIA PAIVA; ALCHIERI, JOSÉ CARLOS. Avaliação da qualidade de vida em idosos institucionalizados no município de Natal, Estado do Rio Grande do Norte. Acta Scientiarum. Health Sciences, Maringá, n. 2, p. 119-26, 2010.

OLIVEIRA, ELIZABETY REGINA ARAÚJO; GOMES, MARIA JOSÉ; PAIVA, KARINA MARY. Institucionalização e qualidade de vida de idosos da região metropolitana de Vitória-ES. Escola Anna Nery Revista de. Enfermagem., Rio de Janeiro, n. 3, p. 518-23, 2011.

OLIVEIRA, MIRNA POLIANA FURTADO; NOVAES, MARIA RITA CARVALHO GARBI. Perfil socioeconômico, epidemiológico e farmacoterapêutico de idosos institucionalizados de Brasília, Brasil. Ciências &Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 18, p. 1069-78, 2013.

PASKULIN, LISIANE MANGANELLI GIRARDI. Fatores associados à qualidade de vida de idosos de um distrito sanitário de Porto Alegre/RS. 2006. 165f. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade Federal de São Paulo, 2006.

PEREIRA, RENATA JUNQUEIRA. et al. Contribuição dos domínios, físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 1, p. 27-38, 2006.

POLARO, SANDRA HELENA ISSE. et al. Idosos residentes em instituições de longa permanência para idosos da região metropolitana de Belém-PA. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia Rio de Janeiro, n. 4, p. 777-84, 2012.

POLLO, SANDRA HELENA LIMA; ASSIS, MÔNICA. Instituições de longa permanência para idosos – ILPIs: desafios e alternativas no município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, n. 1, p. 29-43, 2008.

POWER, Mick. Qualidade de vida visão geral do projeto WHOQOL. In: FLECK, MARCELO PIO DE ALMEIDA (Org) e colaboradores. A avaliação de qualidade de vida: guia para profissionais da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 48-59.

QUEIROZ, GLEICIMARA ARAÚJO. Qualidade de vida em Instituições de Longa permanência para idosos: considerações apartir de um modelo alternativo de assistência. 2010. 140 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2010.

RAMOS, LUCIANA JUNQUEIRA. Avaliação do estado nutricional, de seis domínios da qualidade de vida e da capacidade de tomar decisão de idosos institucionalizados e não-institucionalizados no município de Porto Alegre, RS. 2008. 68 f. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) - Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2008.

SAGALLA, RAIELI. et al. Perfil antropométrico e qualidade de vida de idosos independentes institucionalizados e não institucionalizados, no município de Erechim, RS. Revista Perspectiva, n. 137, p.81-92, 2013.

SERBIM, ANDREIVNA KHARENINE; FIGUEIREDO, ANA ELIZABETY PRADO LIMA. Qualidade de vida de idosos em um grupo de convivência. Scientia Médica, Porto Alegre, n. 4, p. 166-72, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Versão final do instrumento WHOQOL e o manual de diretrizes para aplicação, 2005a. Disponível em: .Acesso em: 01 jan. 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução Suzana Gontijo. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005b.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2