IDOSAS, REDE SOCIAL SIGNIFICATIVA E O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA FAMILIAR

Ana Claudia Nunes de Souza Wanderbroocke

Resumo


O artigo objetivou mapear a rede social significativa de duas idosas vítimas de violência familiar e analisar as características destas redes para o enfrentamento da violência. Para alcançar o objetivo proposto se fez uso da estratégia de estudo de casos. Participaram duas mulheres com 67 e 77 anos, usuárias de uma Unidade Básica de Saúde. Para coleta dos dados foi realizado entrevista semiestruturada e utilizado o Mapa de Rede, composto pelos quadrantes família, amizades, trabalho, comunidade e profissionais e que foram tomados como categorias de análise. Os dados demonstraram que as redes sociais têm a potencialidade para auxiliar as vítimas a romper silêncio e enfrentar as violências.


Palavras-chave


Mapa de rede. Violência na família. Atenção primária.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2014.

BRASIL.Ministério da Saúde. Portaria n.º 737, de 16 de maio de 2001. Política nacional de redução da morbimortalidade por acidentes e violências. Brasília: Ministério da Saúde. 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde. 2005.

COLLINS, K.A. Elder maltreatment: a review. Archieves of Pathology and Laboratory Medicine, v. 130, n. 9,p. 1290-1296, Sep. 2006.

COUTO,M.C.P., NOVO, R. F., & KOLLER, S.H. Relações entre rede de apoio social, bem-estar psicológico e resiliência na velhice. In:FALCÃO, D. V. S;ARAÚJO, L. F. (Orgs.).Psicologia do envelhecimento: relações sociais, bem-estar subjetivo e atuação profissional em contextos diferenciados. Campinas, SP: Alínea, 2009.p. 45-66.

DABAS, E.N. Red de redes. Las prácticas de la intervención en redes sociales. Buenos Aires: Paidós, 2001.

ESPÍNDOLA, C. R.; BLAY, S. Prevalência de maus-tratos na terceira idade: revisão sistemática. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 301-306, abr. 2007.

FALEIROS, V.P. Violência contra a pessoa idosa. Ocorrências, vítimas e agressores. Brasília: Universa.2007.

FALEIROS, V. P.; BRITO, D. O. Representações da violência intrafamiliar por idosas e idosos. Ser Social, Brasília, n. 21,p. 105-142, jul./dez. 2007.

GIL, A. P. et al . Estudo sobre pessoas idosas vítimas de violência em Portugal: sociografia da ocorrência. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 31, n. 6, p. 1234-1246, Jun. 2015 .

MASCARENHAS, M.D.M.et al. Violência contra a pessoa idosa: análise das notificações realizadas no setor saúde – Brasil, 2010. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, p. 2331-2341, set.2012.

MINAYO, M.C.S. (2007). Violência contra a pessoa idosa: o direito pelo avesso. In PAPALÉU NETTO, M. (Ed.).Tratado de gerontologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu. p. 199-210.

MORÉ, C.L.O.O. As redes sociais significativas como instrumentos de intervenção psicológica no contexto comunitário. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 15, n. 31, p. 267-297, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20out.2014.

PARAÍBA, P.M.F.; SILVA, M.C.M. (2015). Perfil da violência contra a pessoa idosa na cidade do Recife-PE. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro, v.18, n.2, p. 295-306, Jun. 2015 .

PENSO, M. A.; MORAIS, I. A. (2009). O ciclo da violência em famílias com idosos. In FALEIROS, V. P.; LOUREIRO, A. M. L.; PENSO, M.A. (Orgs.).O conluio do silêncio. A violência intrafamiliar contra a pessoa idosa. São Paulo: Roca.p.47-62.

ROSA, T.E.C.et al. Aspectos estruturais e funcionais do apoio social de idosos do município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 12, p. 2982-2992, dez.2007).

SANTOS, A.C.W.;MORÉ, C.L.O.O. Repercussão da violência na mulher e suas formas de enfrentamento. Paidéia, Ribeirão Preto,v. 21, n. 49, p. 227-235,maio/ago. 2011.

Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013.

SILVA, J. L.; ALVES, L. F.; COELHO, M. R. M. A família em fase última. In: CERVENY, C. M. O.; BERTHOUD, C.M. E. (Orgs.). Família e ciclo vital: nossa realidade em pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.p.121-132.

SLUZKI, C.E. A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

SLUZKI, C.E. De como la rede afecta a la salud del individuo y la salud del individuo afecta a la red social. In:DABAS, E.; NAJNAMOVICH, D. (Orgs). Redes - El lingiuagem de los vínculos. Hacia La reconstruccion y el fortalecimiento de la sociedad civil.Buenos Aires: Paidós,2002.p. 114-123.

WANDERBROOCKE, A. C. N. S.; MORÉ, C.L.O.O. Significados de violência familiar para idosos no contexto da atenção primária à saúde. Revista Psicologia Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 28, n. 4, p. 25-32, out./dez. 2012.

YIN, R.K.Estudo de caso. Planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman. 2005.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2