EFEITOS DO JOGO DE CÂMBIO NA CAPACIDADE FUNCIONAL E NA ATENÇÃO DE IDOSOS

Roseli Bess, Eliane Lucia Colussi, Ana Carolina Bertoletti De Marchi

Resumo


Objetivo: Investigar os efeitos do jogo de câmbio na capacidade funcional e na atenção de idosos. Método: Trata-se de um estudo quase-experimental, com pré e pós-intervenção, em que participaram 21 idosos com idades entre 62 a 84 anos. Os jogos com duração de 60 minutos foram realizados duas vezes por semana durante 12 semanas. Para a avaliação da aptidão física foi utilizado o Protocolo Senior Fitness Test, que mede os parâmetros de força, flexibilidade, resistência aeróbica, velocidade, agilidade e equilíbrio. Para a avaliação da atenção sustentada e dividida foi utilizado o Teste de Trilhas Coloridas. Todos os participantes foram avaliados no início da intervenção (pré) e após três meses (pós). Na análise dos dados foram utilizados os testes Postos com Sinais de Wilcoxon e Teste t de student para amostras pareadas. As associações entre variáveis numéricas foram avaliadas com o coeficiente de correlação de Pearson com valor de significância p<0,05. Resultados: Após três meses, o Índice de Aptidão Física Geral dos participantes apresentou melhoras significativas da pré para a pós-intervenção (Tcalc=4,5 < Tcrítico=52), o que também ocorreu nos testes que avaliaram a força: levantar e sentar (p=0,004), flexão de antebraço (p<0,001); mobilidade física: sentado, caminhar 2,44m e voltar a sentar (p=0,003); e resistência aeróbica: andar 6 minutos (p<0,001). Na análise de atenção, os resultados mostraram que o jogo contribuiu para a melhora na atenção, indicando diferenças significativas nos dois testes da pré para a pós-intervenção (Forma 1 p<0,001 e Forma 2 p<0,001). Conclusão: O jogo de câmbio foi benéfico aos idosos pois apresentou uma melhora significativa da aptidão física e da atenção após a intervenção, o que o torna uma alternativa viável para a manutenção da capacidade funcional do idoso.


Palavras-chave


Envelhecimento; Exercício Físico; Autonomia;Aptidão Física; Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ALFIERI, Fábio Marcon et al. Mobilidade funcional de idosos ativos e sedentários versus adultos sedentários. Brazilian Journal of Biomotricity, Itaperuna, v. 3, n. 1, p. 89-94, mar. 2009.

BERTÉ, Jéssica Karine et al. Efeitos de seis meses de jogos adaptados na composição corporal, capacidade funcional e no sistema imunológico de idosos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 5, n. 30, p. 503-509, nov./dez. 2011.

BRUCKI, Sonia et al. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 63, n. 3B, p. 777-81, set. 2003.

CAMARA, Fabioano Marques et al. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Acta Fisiátrica, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 249-256, 2008. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2018.

CAMPOS, Leonardo; NAKAMURA, Priscila; KOKUBUN, Eduardo. Comparison of physical fitness in elderly submitted to different physical exercise interventions. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Florianópolis, v. 21, p. 78-84, 2016.

CARREIRO, Luiz Renato Rodrigues; FERREIRA, Iara Ribeiro; MACHADO-PINHEIRO, Walter. Comparação de desempenho de jogadores de voleibol e não esportistas em tarefas de orientação automática e voluntária da atenção visual: um estudo exploratório.

Psicologia: teoria e prática, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 38-49, 2009.

GORGATTI, Márcia Greguol et al. Tendência competitiva no esporte adaptado. Arquivos Sanny de Pesquisa e Saúde, Londrina, v. 18, n. 1, p. 18-25, 2008.

MACHADO, Juliana Costa et al. Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 109-121, 2011.

MANSO, Maria Elisa Gonzalez; GALERA, Priscila Bovolini. Perfil de um grupo de idosos participantes de um programa de prevenção de doenças crônicas. Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 57-71, abr. 2015.

MIRANDA, Letícia Miranda de; FARIAS, Sidney Ferreira. A influência do exercício físico na atividade cerebral do idoso. Lecturas: educación física y deportes, Buenos Aires, v. 13, n. 125, oct. 2008.

PEREIRA, Ana et al. Training strategy of explosive strength in young female volleyball players. Medicina, Kaunas, v. 51, n. 2, p. 126-131, Apr. 2015.

RABELO, Ivan Sant’Ana et al. Teste de trilhas coloridas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

REBELATTO, José Rubens et al. Influência de um programa de atividade física de longa duração sobre a força muscular manual e a flexibilidade corporal de mulheres idosas. Brazilian Journal of Physical Therapy, São Carlos, v. 10, n. 1, p. 127-132, 2006.

RIKLI, Roberta; JONES, Jessie. The reliability and validity of a 6- minute walk test as a measure of physical endurance in older adults. Journal of Aging and Physical Activity, v. 6, n. 4, p. 363-375, 1999.

. Senior fitness test manual. Illinois: Human Kinetics, 2001.

SILVA, Marcelo Vilhena; GRECO, Pablo Juan. A influência dos métodos de ensino-aprendizagem-treinamento no desenvolvimento da inteligência e criatividade tática em atletas de futsal. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 297-307, jul./set. 2009.

SILVA, Tânia Cristina Lima da; COSTA, Eduardo Caldas; GUERRA, Ricardo Oliveira. Resistência aeróbica e força dos membros inferiores de idosos praticantes e não-praticantes de ginástica recreativa em um centro de convivência. Revista Brasileira Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 535-542, 2011.

TRIOLA, Mario. Introdução à Estatística. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

UENO, Deisy Terumi et al. Efeitos de três modalidades de atividade física na capacidade funcional de idosos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 26, p. 273-281, jun. 2012.

VILA, Camila Prats et al. Aptidão física funcional e nível de atenção em idosas praticantes de exercício físico. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 355-364, 2013.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2