FATORES ASSOCIADOS À POLIMEDICAÇÃO EM IDOSOS DOS MEIOS RURAL E URBANO

Vanessa da Silva Corralo, Lilian Caroline Bohnen, Clenise Liliane Schmidt, Clodoaldo Antônio De Sá

Resumo


Objetivou-se neste estudo avaliar a prática de polimedicação e fatores associados em idosos residentes no meio rural e urbano de um município do Extremo Oeste Catarinense. Realizou-se um estudo do tipo transversal com 242 idosos (148 do ambiente rural e 94 do ambiente urbano). A amostra foi obtida a partir de um sorteio, estratificada por sexo e local de residência. Para todas as análises utilizou-se o pacote estatístico SPSS®, versão 20.0 e o nível de significância adotado foi de 5%.  Quanto ao uso de medicamentos, 87,8% dos idosos residentes no meio rural e 86,2% dos idosos urbanos utilizavam algum tipo de medicamento. Dentre estes, a média de fármacos utilizados foi de 4,5. A prática de polimedicação esteve presente em 38,84% da população estudada. A prevalência da polimedicação não esteve associada ao local de residência dos idosos (meio urbano ou rural) e sim ao sexo. Além da polimedicação ser mais prevalente entre as mulheres que entre os homens (51,8 e 35,0%, respectivamente), esta foi associada ao estado civil, ao fato de saber ler e escrever e a autopercepção de saúde, somente para o sexo feminino. Com base nos resultados evidencia-se que a promoção do uso racional de medicamentos pelos profissionais da saúde deve ser uma constante, proporcionando uma diminuição das complicações relacionadas ao seu consumo.


Palavras-chave


Envelhecimento. Saúde do idoso. Uso de medicamentos. Polifarmácia. Doença iatrogênica.

Texto completo:

PDF

Referências


ACÚRCIO, Francisco de Assis et al. Complexidade do regime terapêutico prescrito para idosos. Revista. Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 55, n. 4, p.468-74, ago.-set. 2009.

BARDEL, Annika, WALLANDER, Mari-Ann, SVÄRDSUDD, Kurt. Reported current use of prescription drugs and some of its determinants among 35 to 65-year-old women in mid-Sweden: a population-based study. Journal of Clinical Epidemiology, Ottawa, v. 53, n. 6, p. 637-643, jun. 2000.

CARVALHO, Maristela Ferreira Catão et al. Polifarmácia entre idosos do Município de São Paulo – Estudo SABE. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 817-827, jan. 2012.

CASSONI, Teresa Cristina Jahn et al. Uso de medicamentos potencialmente inapropriados por idosos do Município de São Paulo, Brasil: Estudo SABE. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 8, p. 1708-1720, ago. 2014.

COELHO-FILHO, João Macêdo, MARCOPITO, Luiz Francisco, CASTELO, Adauto. Perfil de utilização de medicamentos por idosos em área urbana do Nordeste do Brasil. Revista de Saúde Púbica, São Paulo, v. 38, n.4, p. 557-564, abr. 2004.

CRENTSIL, Vitor et al. A pharmacoepidemiologic study of community-dwelling, disabled older women: factors associated with medication use. American Journal of Geriatric Pharmacotheraphy, Hillsborough, v. 8, n. 3, p. 215-24, jun. 2010.

DAL PIZZOL, Tatiana da Silva et al. Uso de medicamentos entre idosos residentes em áreas urbanas e rurais de município no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n.1, p. 104-111, jan. 2012.

FLORES, Vanessa Boeira, BENVEGNU, Luís Antônio. Perfil de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 6, p. 1439-1446, jun. 2008.

FOLSTEIN, Marshal F., FOLSTEIN, Susan E., MCHUGH, Paul R. “Mini-mental state”: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of Psychiatric Research, Portland, v. 12, n.3, p. 189-98, nov. 1975.

GALATO, Dayani, SILVA, Eduardo Souza, TIBURCIO, Letícia Souza. Estudo de utilização de medicamentos em idosos residentes em uma cidade do sul de Santa Catarina (Brasil): um olhar sobre a polimedicação. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 6, p. 2899-2905, mai. 2010.

HANLON, Joseph T. et al. Drug-use patterns among black and nonblack community-dwelling elderly. The Annals of Pharmacotherapy, Cincinnati, v. 26, n. 5, p. 679-85, mai. 1992.

JUNIUS-WALKER, Ulrike, THEILE, G, HUMMERS-PRADIER, E. Prevalence and predictors of polypharmacy among older primary care patients in Germany. Family Practice, Oxford, v. 24, n. 1, p. 14-9, dec. 2007.

LINJAKUMPU, Tarja et al. Use of medications and polypharmacy are increasing among the ederly. Journal of Clinical Epidemiology, Ottawa, v. 55, n. 8, p. 809-17, ago, 2002.

LLOYD-SHERLOCK, Peter. Population ageing in developed and developing regions: implications for health policy. Social Science Medicine, Norvich, n. 51, v. 6, p. 887-95, out. 2000.

LOYOLA-FILHO, Antônio I., UCHOA, Elisabeth, LIMA-COSTA, Maria Fernanda. Estudo de base populacional sobre o consumo de medicamentos entre idosos: Projeto Bambuí. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 545-553, dec. 2006.

LUCHETTI, Giancarlo et al. Fatores associados à polifarmácia em idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 51-58, out. 2010.

MARIN, Maria José Sanches et a. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos de uma unidade do Programa de Saúde da Família. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 1545-155, jul. 2008.

MORAIS, Eliane Pinheiro. Instrumento de coleta de dados in: Envelhecimento no meio rural: condições de vida, saúde e apoio dos idosos mais velhos de Encruzilhada do Sul – RS. 2007. 216 p. Tese. (Doutorado em Enfermagem Fundamental). Programa de doutorado na Universidade de São Paulo, USP, de São Paulo. 2007.

NEVES, Sabrina Joany Felizardo et al. Epidemiologia do uso de medicamentos entre idosos em área urbana do Nordeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.37, n. 4, p. 759-68, mar.. 2013.

OLIVEIRA, Marcelo Antunes et al.. Automedicação em idosos residentes em Campinas, São Paulo, Brasil: prevalência e fatores associados. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 335-345, fev. 2012

OLIVEIRA, Mirna Poliana Furtado, NOVAES, Maria Rita Carvalho Garbi. Perfil socioeconômico, epidemiológico e farmacoterapêutico de idosos institucionalizados de Brasília, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 4, p. 1069-1078, jan. 2013.

PASSARELLI, Maria Cristina Guerra, GORZONI, Milton Luiz. Iatrogenia: Reações adversas a medicamentos. In: Jacob Filho W, Gorzoni ML. Geriatria e Gerontologia: o que todos deviam saber. São Paulo: Roca; 2008. p. 19-30.

PEREIRA, Renata Junqueira et al.Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Revista Psiquiatria Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 28, n. 1, p. 27-38, jan.-abr. 2006.

ROZENFELD, Suely, PEPE, Vera Lúcia Edais. Guia terapêutico ambulatorial. Porto Alegre: Artes Médicas; Rio de Janeiro: Abrasco; 1992.

SANTIS, Teresa Paula Lopes, Polimedicação e Medicação Potencialmente Inapropriada no Idoso: estudo descritivo de base populacional em cuidados de saúde primários. 2009. 108 p. Dissertação (Mestrado em Geriatria). Faculdade de Coimbra, Coimbra. 2009.

SANTOS, Érica Aparecida et al. Morbidades e qualidade de vida de idosos com diabetes mellitus residentes nas zonas rural e urbana. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 47, n. 2, p. 393-400, set. 2013.

SECOLI, Silvia Regina. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 63, n.1, p. 136-40, jan. 2010.

Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). Consolidado Anual das Famílias cadastradas no município, 2013. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/SIAB/index.php?area=05&id=8427&assunto=15261. Acesso em 02 fev. de 2015.

VERAS, Renato. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 548-54, nov. 2009.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2