SOFTWARE: RECURSO TERAPÊUTICO OCUPACIONAL PARA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DO IDOSO

Angela Maria Bittencourt, Lidia Ferreira de Oliveira Machado, Miriam Barrozo de Almeida, Daniel Ribeiro Pires

Resumo


Idosos com problemas cognitivos possuem declínio em sua capacidade funcional, tornando-se mais dependentes e com baixa qualidade de vida. O objetivo desse estudo é desenvolver um software baseado nos testes, nas atividades cotidianas descritas na literatura como as mais afetadas nesta população e da experiência do projeto desenvolvido no Instituto Federal do Rio de Janeiro. Essa proposta se justifica por estudos comprovarem que, por meio da estimulação cognitiva, os idosos conseguem realizar melhor suas atividades rotineiras. Visa à prevenção do funcionamento cognitivo, melhoria da qualidade de vida e da segurança nas realizações das atividades cotidianas buscando um desempenho mais competente, maior autonomia e independência. A metodologia utilizada foi de caráter exploratório, a partir do levantamento da literatura, que demonstraram que o questionário de Pfeiffer, Índice de Katz, Medida Independência Funcional vinculada à funcionalidade das atividades da vida diária e as instrumentais que formam a base das áreas cognitivas mais afetadas. A partir desses dados, dividiu-se o software em dez exercícios, abrangendo as áreas específicas da cognição, pois o mesmo pode ser um recurso terapêutico ocupacional para idosos que necessitem de estímulo e intervenções em seu desempenho ocupacional. As informações foram dispostas em relação ao uso de cores e quantidade de elementos, pois estas facilitam ou dificultam o acesso e compreensão da interface. Concluiu-se que o software é uma proposta positiva por diminuir gasto energético, porque as realizações dos exercícios favorecem a relação independência/dependência, aumentam a eficácia e as habilidades requeridas para praticá-los.


Palavras-chave


Envelhecimento, Estimulação cognitiva, Software, Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


ARGIMON, Irani de Lima.; STEIN, Lilian Milnisky. Habilidades cognitivas em indivíduos muito idosos: um estudo longitudinal. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, fev. 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2013.

BECKERT, Michele; IRIGARAY, Tatiana Quarti; TRENTINI, Clarissa Marceli. Qualidade de vida, cognição e desempenho nas funções executivas de idosos. Estudos de psicologia. Campinas, v. 29, n. 2, jun. 2012. Disponível em:. Acesso em: 5 nov. 2013.

CAIXETA, Leandro, PINTO, Pedro Henrique. Reserva cerebral, plasticidade e o cérebro do idoso In: CAIXETA, Leandro; TEIXEIRA, Antônio Lúcio. Neuropsicologia geriátrica: neuropsiquiatria cognitiva em idosos. São Paulo: Artmed, 2014. p.45-55.

CARLETO, Daniel Gustavo de Sousa et al. Estrutura e prática da terapia ocupacional: domínio e processo. Revista Triângulo, Uberaba, v.3, n.2, p.57-147, 2010. Disponível em: < http://www.uftm.edu.br>. Acesso em: 20 Ago. 2013

CARVALHO FILHO, Eurico Thomaz; PAPALÉO NETTO, Matheus Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. 2ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2006

CARVALHO, Viviane Amaral; MACHADO, Thaís Helena, CAMARELI, Paulo. Reabilitação da memória no idoso In: CAIXETA, Leandro; TEIXEIRA, Antônio Lúcio. Neuropsicologia Geriátrica: neuropsiquiatria cognitiva em idosos. São Paulo: Artmed, 2014. p. 301-310.

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. Resolução n. 316 de 19 de jul. de 2006. Dispõe sobre a prática de Atividades de Vida Diária, de Atividades Instrumentais da Vida Diária e Tecnologia Assistiva pelo Terapeuta Ocupacional e dá outras providências, Brasília, DF, 3 de ago. 2006. Seção 1, p.79 Disponível em: . Acesso em: 5 Nov. 2013

DAMASCENO, Benito Pereira. Envelhecimento cerebral: o problema dos limites entre o normal e o patológico. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo, v.57, n.1, p. 78-83, 1999.

DiGIOVANNA, Augustine Gaspar. Human aging: biological perspectives. New York: The Mc Graw Hill Companies, 1994.

FREIRE, Sueli Aparecida, SOMMERHALDER, Cinara. Envelhecer nos tempos modernos. In: NERI, Sueli Aparecida; FREIRE, Sueli Aparecida (Orgs.). E por falar em boa velhice. Campinas: Papirus, 2000. p.125-135.

GRIEVE, June; GNANASKARAN, Linda. Cognição: métodos e processos. In: GRIEVE, June; GNANASKARAN, Linda. Neuropsicologia para terapeutas ocupacionais: cognição no desempenho ocupacional. São Paulo: Santos, 2010. p.61-80.

LIRA, Juliana Onofre de; RUGENE, Olinda Tereza; MELLO, Patrícia Cotting Homem de. Desempenho de idosos em testes específicos: efeito de Grupo de Estimulação. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v.14, n.2, p.209-220, 2011. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2013.

LOUREIRO, Ana Paula Leal et al. Reabilitação cognitiva em idosos institucionalizados: um estudo piloto. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, São Paulo, v.22, n.2, p.136-144, ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2013.

OLIVEIRA Luciane Paula Batista Araújo de, MENEZES Rejane Maria Paiva de. Representações de fragilidade para idosos no contexto da estratégia saúde da família. Texto Contexto Enfermagem. Santa Catarina, Ab-Jun; 20(2):301-9, 2011.

PEDROSA, Taís Moraes Campos; TOUTAIN, Lídia Brandão. O Uso das Cores como Informação em Interfaces Digitais. In: CINFORM – ENCONTRO NACIONAL DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 6., 2005, Salvador Anais... Salvador: [S.n.] 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 Out. 2013

PORTO, Fabio Henrique de Gobbi; NITRINI, Ricardo. Neuropsicologia do envelhecimento normal e do comprometimento cognitivo leve. In: CAIXETA, Leandro; TEIXEIRA, Antônio Lúcio. Neuropsicologia Geriátrica: neuropsiquiatria cognitiva em idosos. São Paulo: Artmed, 2014. p.141-152.

PASCHOAL, Sergio Marcio Pacheco. Autonomia e independência. In: PAPALÉO NETTO, Matheus. Tratado de gerontologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2007. p. 609-620.

RODA, Fabiana Castilho Carvalho. Treino de memória episódica com ênfase em categorização para idosos saudáveis. In: SANTOS, Frankilin Santana et al. Estimulação cognitiva para idosos: ênfase em memória. Rio de Janeiro: Atheneu, 2013. p. 69-73.

SANTOS, Ariene Angelini dos; PAVARINI, Sofia Cristina Lost. Funcionalidade de idosos com alterações cognitivas em diferentes contextos de vulnerabilidade social. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 520-526, 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 Nov. 2013.

SANTOS, Izabel Borges dos et al. Oficinas de estimulação cognitiva adaptadas para idosos analfabetos com transtorno cognitivo leve. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 65, n. 6, p.962-968, dez. 2012. Disponível em . Acesso em 9 out. 2013.

SILVA, Thaís Bento Lima da et al. Estudos de treino cognitivo realizados no Brasil. In: SANTOS, Franklin Santana et.al (Ed.). Estimulação cognitiva para idosos ênfase em memória. Rio de Janeiro: Atheneu, 2013. p.103-112.

TALMELLI, Luana Flávia da Silva et al. Nível de independência funcional e déficit cognitivo em idosos com doença de Alzheimer. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 933-939, 2010. Disponível em:. Acesso em: 9 out. 2013.

TAMAI, Silvia Affini Borsoi. Atividade em terapia ocupacional. In: JACOB FILHO, Wilson. Prática a caminho da senecultura. São Paulo: Atheneu, 2003.

WATANABE, Marli Kiyoko Fujikawa; TSUKIMOTO, Denise Rodrigues; TSUKIMOTO Gracinda Rodrigues. Terapia Ocupacional e o uso do computador como recurso terapêutico. Acta Fisiátrica, São Paulo, v.10, n. 1, p.17-20, 2003. Disponível em: http://bases.bireme.br>.Acesso em: 20 ago. 2013.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2