ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE O IDADISMO: A POSIÇÃO DE PESSOAS IDOSAS DIANTE DESSE AGRAVO À SUA SUBJETIVIDADE

Ana Carla Santos Nogueira de Sousa, Flaminia Manzano Moreira Lodovici, Nadia Dumara Ruiz Silveira, Regina Pilar Galhego Arantes

Resumo


O novo perfil da pessoa idosa acarretou uma maior visibilidade da velhice, evidenciando um de seus problemas — a discriminação social etária, manifesta por meio de afirmações, condutas e atitudes preconceituosas —, ainda presentes nas interações diárias, contra a pessoa idosa. O objetivo desta pesquisa é investigar, à luz da perspectiva da Gerontologia Social, a posição de pessoas idosas em episódios de discriminação social etária e a avaliação do consequente impacto negativo. O presente artigo se baseia na revisão da literatura, apresentando algumas posições teóricas sobre o preconceito e a discriminação, subsumidos ao Idadismo, e da interpretação de dados empíricos advindos de entrevista com idosos. Este é um estudo de corte transversal, com amostra de 145 sujeitos, de 60 a 86 anos, de ambos os sexos. A coleta de dados valeu-se da versão portuguesa do instrumento Ageism Survey, com vistas às funções avaliadas: frequência de discriminação; reconhecimento da discriminação ligada à idade, ao sexo, à escolaridade e ao estado civil. Os resultados mostram, de forma significativa, a presença de discriminação em todas as variáveis. Assim, este estudo chama a atenção para as necessárias ações voltadas à educação sobre o envelhecimento, a fim de que pessoas idosas, especialmente as menos favorecidas, deixem de receber os efeitos da discriminação etária e possam, ao ter preservada sua subjetividade, viver com mais dignidade a velhice, contribuindo, desta forma, a uma sociedade adequada a todas as idades.


Palavras-chave


Idadismo/Ageísmo; Preconceito geracional; Intolerância intergeracional

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, V.L.V. (2003). Modernidade e Velhice. In: Revista Serviço Social e Sociedade, 75, Ano XXIV. São Paulo (SP): Cortez.

ALLPORT, G.W. (1958). The nature of prejudice. Garden City, NY: Addison-Wesley.

ALVES, J.F. & NOVO, R.F. (2006). Avaliação da discriminação social de pessoas idosas em Portugal. International Journal of Clinical and Health Psychology, 6, 65-77.

BAGNO, M. (2011). Preconceito Linguístico? Tô fora! In: PINSKI, J. (Org.). 12 Faces do Preconceito, 59-68. São Paulo (SP): Contexto.

BEAUVOIR, S. (1970). A velhice. A realidade incômoda. Difusão Europeia do Livro.

BERNARDET, J.-C. (2003). Ser ou não ser não é a questão. In: PINSKY, J. (Org.). 12 Faces do Preconceito. São Paulo (SP): Contexto, pp. 29-38.

BUTLER, R.N. (1969). Age-ism: Another form of bigotry. The Gerontologist, 9, 243-246.

BUTLER, R.N. (1980). Ageism: A foreword. Journal of Social Issues, 36(2).

BUTLER, R.N. (2006). The Longevity revolution: The benefits and challenges of living a long life. New York (NY): PublicAffairs.

DEBERT, G.G. (1999). A Reinvenção da Velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo (SP): Fapesp.

FERNANDES, N.F.; AFONSO, R.M.; PEREIRA, H.; LOUREIRO, M.J. (2012). Avaliação da percepção de discriminação em pessoas idosas. International Journal of Developmental and Education Psychology INFAD Revista de Psicologia, 1(3), (ano XXIV). 105-114.

FERREIRA-ALVES, J.; FERREIRA NOVO. R. (2006). Avaliação da discriminação social de pessoas idosas em Portugal. International Journal of Clinical and Health Psychology 6(1), 65-77.

GODOY, A.S. (1995, mai.-jun.). Pesquisas Qualitativas - Tipos Fundamentais. Revista de Administração de Empresas, 35(3), 20-29, São Paulo (SP).

GOLDANI, A.M. (2010a, jul.-dec.). “Ageism” in Brazil: whato is it? Who does it? What to do with it? Revista Brasileira de Estudos de População, 27(2). São Paulo (SP). http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982010000200009. Recuperado em 20 maio, 2013, de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-30982010000200009.

_____________. (2010b, abr.-jun.). Desafios do “preconceito etário” no Brasil. Educ. Soc., 31(111), 411-434. Campinas (SP).

Groth, S.M. (2003). É Possível EnvelheSer? In: TERRA, N.L., DORNELLES, B. (Eds.). Envelhecimento Bem-Sucedido. Porto Alegre (RS): EDIPUCRS.

KERTZMAN, O.F. (2004). “Velho, é o outro!”: a experiência do envelhecimento de idosos usuários do Núcleo de Atenção à Saúde do Idoso. São Paulo, 2004. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Infecções e Saúde Pública da Coordenação dos Institutos de Pesquisa da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

KITE, M.E.; STOCKDALE, G.D.; WHITLEY B.E.; JOHNSON B.T. (2005). Attitudes toward younger and old adults: An updated meta-analytic review. Journal of Social Issues, 61, 241-266. doi: 10.1111/j.1540-4560.2005.00404.x.

LAKATOS, E.M.; MARCONI, M.de A. (1987). Metodologia do Trabalho Científico. (2ª ed.). São Paulo (SP): Atlas.

LASAGNI COLOMBO, V.X. et al. (2013, dezembro). Estereotipos negativos hacia la vejez en personas mayores de Latinoamérica. Revista Kairós Gerontologia,16(6), pp.09-23. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PEPGG/PUC-SP.

LEME, L.E.G. (2011). Quem gosta de velho é reumatismo! In: PINSKI, J. (Org.). 12 Faces do Preconceito, 39-48. São Paulo (SP): Contexto.

LEVY, B.R. (2009). Stereotype embodiment: A psychosocial approach to aging. Current Directions in Psychological Science, 18, 332-336.

LEVY, B.R.; CHUNG, P.H.; BEDFORD, T.; NAVRAZHINA, K. (2014). Facebook as a site for negative age stereotypes. Gerontology,54(2), pp. 172-176. doi: 10.1093/geront /gns194.

LODOVICI, F.M.M. & MEDEIROS, S.da A.R. (2009, sept.). "Formas de significar" a moradia da pessoa idosa, sob uma perspectiva interdisciplinar. I Congreso de la Cátedra de Psicología de la Tercera Edad y Vejez “Envejecimiento y Vida Cotidiana”. (mimeo)

MAGALHÃES, C.P., FERNANDES, A.M.P.S., ANTÃO, C. da C.M., ANES, E.M.G.J. (2009). Idadismo. [Comunicação]. Congresso “O Doente Crónico e a Saúde Comunitária”. (mimeo).

MAGALHÃES, C.; FERNANDES, A.; ANTÃO, C.; ANES, E. (2010, fev.-jul.). Repercussão dos Estereótipos sobre as Pessoas Idosas. Porto (Portugal): Revista Transdisciplinar de Gerontologia, III(2) (ano IV). Recuperado em 02 outubro, 2013, de: files.rtgerontologia.webnode.pt/200000030.../RTG%20II,%202010.pdf.

MENDES, M.R.S.S.B., GUSMÃO, J.L. de, MANCUSSI-FARO, A.C., LEITE, R. de C.B. de O. (2005). A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enferm, 18(4), 422-426.

MERCADANTE, E.F. (2007). Algumas Reflexões sobre o Lugar Social da Velhice e do Velho. In: São Paulo. Secretaria da Saúde. Violência doméstica contra a pessoa idosa: orientações gerais, 13-15. São Paulo (SP): Secretaria Municipal de Saúde.

NÉRI, A.L. (2007). Atitudes e preconceitos em relação à velhice. In: Neri A.L. Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na Terceira Idade, 33-46. São Paulo (SP): Fundação Perseu Abramo.

NERI, A.L.; CACHIONI, M.; RESENDE, M.C. (2002). Atitudes em relação à velhice. In: FREITAS, E.V.; PY, L.; NERI, A.L.; CANÇADO, F.A.X.; GORZONI, M.L., ROCHA, S.M. (Orgs.). Tratado de Geriatria e Gerontologia, 972-980. Rio de Janeiro (RJ): Editora Guanabara Koogan.

NORTH, M.S.; FISKE, S.T. (2012). An inconvenienced youth? Ageism and its potential intergenerational roots. Psychological Bulletin, 138, 982-997.

PALMORE, E.B. (1999). Ageism. Negative and Positive. (2ª ed.). New York: Springer Publishing Company.

PALMORE, E.B. (2001). The ageism survey: first findings. The Gerontologist, 41(5), 572-575.

PASCHOAL, S.M.P. (2007). Envelhecer com dignidade, um direito humano fundamental. In: São Paulo. Secretaria da Saúde. Violência doméstica contra a pessoa idosa: orientações gerais. São Paulo: Secretaria Municipal de Saúde, 13-15.

PINSKI, J. (Org.). (2011). 12 Faces do Preconceito. São Paulo (SP): Contexto. Disponível em: http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/palavreado/por-que-falamos-como-falamos. Acesso em 20 janeiro, 2014.

RIBAS, I.; PONTES, M. (2010, ag.). Percepção dos idosos sobre episódios de discriminação social. Revista da Faculdade de Ciências, 7, 144-154.

RIBEIRO, A.P.F. (2007). Imagem da velhice em profissionais que trabalham com idosos: enfermeiros, médicos e técnicos de serviço social. Dissertação de mestrado. Aveiro (Portugal): Universidade de Aveiro.

SCHAIE, K.W. (1993). Ageist language in psychological research. American Psychologist, 48(1), 49-51.

SPOSATI, A. (2011). Feios, sujos e malvados. In: PINSKI, J. (Org.). 12 Faces do Preconceito, 113-119. São Paulo (SP): Contexto.

VERGUEIRO, M.E. de C.; LIMA, M.P. de. (2010). O ageism e os maus-tratos contra a pessoa idosa. Psychologica, 52(3), 185-208.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2