PREVALÊNCIA DE SINTOMAS DEPRESSIVOS E FATORES ASSOCIADOS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS NO MUNICÍPIO DE RECIFE, PERNAMBUCO

Isabelle Pimentel Nóbrega, Márcia Carréra Campos Leal, Ana Paula de Oliveira Marques

Resumo


Dentre os agravos que mais acometem as pessoas idosas, os transtornos depressivos merecem atenção especial por acarretarem importantes consequências para as funções biológicas e sociais dos indivíduos. As pessoas que moram em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) geralmente vivem um contexto de perdas e separação familiar que aumentam sua vulnerabilidade a quadros depressivos. Investigar a prevalência de sintomas depressivos e fatores associados em idosos institucionalizados no município de Recife, Pernambuco. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, desenvolvido em nove ILPI públicas e filantrópicas devidamente cadastradas na prefeitura de Recife, que contou com a participação de 136 idosos que atenderam aos critérios de inclusão. Para coleta dos dados utilizou-se um roteiro de entrevista semi-estruturado, com perguntas referentes ao perfil sociodemográfico e condições de saúde dos entrevistados. A presença de sintomas depressivos foi investigada por meio da Escala de Depressão Geriátrica de 15 itens. Realizou-se estatística descritiva e Regressão de Poisson nas análises uni e multivariada para testar a associação entre a variável resposta e as covariáveis. A prevalência de quadro depressivo na amostra foi de 53,7%. As variáveis que, no modelo multivariado final apresentaram-se como fatores associados ao risco de depressão foram o sexo (prevalência maior nas mulheres), o estado civil (prevalência maior para os separados ou divorciados), a saúde autopercebida (prevalência maior para os que tiveram pior percepção da sua saúde) e funcionalidade (prevalência maior para os que apresentaram dependência para as atividades da vida diária). A alta prevalência de sintomas depressivos na população institucionalizada alerta para a necessidade de maior engajamento dos gestores e profissionais da saúde não só na prevenção, como na investigação e valorização dos sinais indicativos de depressão, a fim de que esta possa ser precocemente diagnosticada e tratada da maneira mais eficaz para o idoso.

PALAVRAS-CHAVE: Idoso. Depressão. Instituição de Longa Permanência para Idosos.


Palavras-chave


Envelhecimento; Geriatria; Gerontologia

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Maria Odete Pereira Hidaldo; CEOLIM, Maria Filomena. Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituições de longa permanência. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 378-85, 2007.

BERTOLUCCI, Paulo Henrique Ferreira et al. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo, v. 52, n. 1, p. 1-7, 1994.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Síntese de Indicadores Sociais – Uma análise das condições de vida da população brasileira 2012. Rio de Janeiro, 2012, 287 p.

CARREIRA, Lígia et al. Prevalência de depressão em idosos institucionalizados. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 268-73, 2011.

CARVALHO, Maria Paula Rodrigues Sequeira; DIAS, Maria Olívia. Adaptação dos idosos institucionalizados. Millenium, Lisboa, n.40, p. 161-84, 2011.

DAMIÁN, Javier; PASTOR-BARRIUSO, Roberto; VALDERRAMA-GAMA, Emiliana. Factors associated with self-rated health in older people living in Institutions. BMC Geriatrics, London, v. 8, n. 5, p. 1-6, 2008.

DEL DUCA, Giovâni Firpo et al. Indicadores da institucionalização de idosos: estudo de casos e controles. Revista de Saúde Pública, v.46, n. 1, p. 147-53, 2012.

DIAS, Eliotério Fachin. O envelhecimento populacional e o direito à saúde da pessoa idosa. Revista Jurídica Direito, Sociedade e Justiça, v. 1, n. 1, 2013.

FERNANDES, Maria das Graças Melo; NASCIMENTO, Neilce Falcão de Souza; COSTA, Kátia Nêyla de Freitas Macêdo. Prevalência e determinantes de sintomas depressivos em idosos atendidos na atenção primária de saúde. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 11, n. 1, p. 19-27, 2010.

GALHARDO, Vitor Ângelo Carlucio; MARIOSA, Maria Aparecida Silva; TAKATA, João Paulo Issamu. Depressão e perfis sociodemográfico e clínico de idosos institucionalizados sem déficit cognitivo. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 16-21, 2010.

GIAVONI, Adriana et al. Elaboração e validação da Escala de Depressão para Idosos. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24 n. 5, p. 975-82, 2008.

GONZÁLEZ, Luz Aangélica Muñoz et al. Vivencia de los cuidadores familiares de adultos mayores que sufren depresión. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 1, p. 32-9, 2010.

HOOVER, Donald et al. Depression in the first year of stay for elderly long-term nursing home residents in the U.S.A. International Psychogeriatrics, Cambridge, v. 22, n. 7, p. 1161-71, 2010.

IRIGARAY, Tatiana Quarti; SCHNEIDER, Rodolfo Herberto. Prevalência de depressão em idosas participantes da Universidade para a Terceira Idade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 29, n. 1, p. 19-27, 2007.

KATZ, Sidney et al. Studies of illness in the aged. The index of ADL: A standardized measure of biological and psychosocial function. The Journal of the American Medical Assossiation, v. 185, p. 914-19, 1963.

LIMA, Lara Carvalho Vilela; BUENO, Cléria Maria Lobo Bittar. Envelhecimento e gênero: a vulnerabilidade de idosas no Brasil. Revista Saúde e Pesquisa, Maringá, v. 2, n. 2, p. 273-80, 2009.

LISBOA, Cristiane Rabelo; CHIANCA, Tânia Couto Machado. Perfil epidemiológico, clínico e de independência funcional de uma população idosa institucionalizada. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 65, n. 3, p. 482-7, 2012.

MEDEIROS, Paulo. Como estaremos na velhice? Reflexões sobre envelhecimento e dependência, abandono e institucionalização. Polémica, Rio de Janeiro, v.11, n. 3, p. 439-53, 2012.

MENEZES, Ruth Losada et al. Estudo longitudinal dos aspectos multidimensionais da saúde de idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 485-96, 2011.

OLIVEIRA, Marcos Francisco et al. Sintomatologia de depressão autorreferida por idosos que vivem em comunidade. Ciência e Saúde Coletiva, v.17, n. 8, p. 2191-8, 2012.

PAGOTTO, Valéria; BACHION, Maria Márcia; SILVEIRA, Erika Aparecida. Autoavaliação da saúde por idosos brasileiros: revisão sistemática da literatura. Revista Panamericana de Salud Publica, Washington , v. 33, n. 4, p. 302-10, 2013.

PERI, Kathryn et al. Does functionally based activity make a difference to health status and mobility? A randomised controlled trial in residential care facilities (The Promoting Independent Living Study; PILS). Age and Ageing, Oxford, v. 37, n. 1, p. 57-63, 2008.

PESTANA, Luana Cardoso; ESPÍRITO SANTO, Fátima Helena. As engrenagens da saúde na terceira idade: um estudo com idosos asilados. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 268-75, 2008.

PINHO, Miriam Ximenes; CUSTÓDIO, Osvladir; MAKDISSE, Marcia. Incidência de depressão e fatores associados em idosos residentes na comunidade: revisão de literatura. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 123-40, 2009.

PONTES-BARROS, Juliana Fonseca et al. Avaliação da capacidade funcional de Idosos institucionalizados na cidade de Maceió – AL. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, v. 23, n. 2, p. 168-74, 2010.

PÓVOA, Thaís Rocha et al. Prevalência de depressão nos idosos institucionalizados na morada do idoso do Instituto de Gerontologia de Brasília. Brasília Médica, Brasília, v. 46, n. 3, p. 241-46, 2009.

REZENDE, Carlos Henrique Alves et al. Dependence of the Geriatric Depression scores on age, nutritional status, and haematologic variables in elderly institutionalized patients. The Journal of Nutrition, Health & Aging, London, v. 13, n. 7, p. 617-21, 2009.

RIBEIRO, Rita de Cássia Helú Mendonça et al. Depressão em idosos portadores de insuficiência renal crônica em tratamento hemodialítico. Acta Paulista de Enfermagem, Especial-Nefrologia, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 505-8, 2009.

ROSSETTO, Maíra et al. Depressão em idosos de uma Instituição de Longa Permanência. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, v. 2, n. 2, p. 347-52, 2012.

SAMPAIO, Lucas Silveira et al. Condições sociodemográficas e de saúde de idosos residentes em domicílio no município de Jequié-BA. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 267-74, 2009.

SANTOS, Amanda Rodrigues et al. Depressão e mobilidade em idosos com dor crônica, institucionalizados e não-institucionalizados. Revista da Graduação, Porto Alegre, v. 4 n. 2, p. 1-18, 2011.

SILVA, Elisa Roesler et al. Prevalência e fatores associados à depressão entre idosos institucionalizados: subsídio ao cuidado de Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 46, n. 6, p. 1387-93, 2012.

SIQUEIRA, Gisela Rocha et al. Análise da sintomatologia depressiva nos moradores do abrigo Cristo Redentor através da aplicação da Escala de Depressão Geriátrica (EDG). Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 253-9, 2009.

SMANIOTO, Francieli Nogueira; HADDAD, Maria do Carmo Fernandez Lourenço. Índice de Katz aplicado a idosos institucionalizados. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 12, n. 1, p. 18-23, 2011.

SMOLINER, Christine et al. Malnutrition and depression in the institutionalised elderly. British Journal of Nutrition, Cambridge, v. 102, n. 11, p. 1663-7, 2009.

SNOWDEN, Mark; STEINMAN, Lesley; FREDERICK, John. Treating depression in older adults: challenges to implementing the recommendations of an expert panel. Preventing Chronic Disease, Atlanta, v. 5, n. 1, 2008.

VERAS, Renato. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 548-554, 2009.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2