RELAÇÃO DOS ÍNDICES ANTROPOMÉTRICOS E VITAMINA D COM O DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS

Giselle Borges Vieira Pires de Oliveira, Fernando Lopes e Silva Júnior, Maria da Conceição Barros Oliveira, Cecília Maria Resende Gonçalves de Carvalho

Resumo


A complexidade que abrange o processo do envelhecimento e a saúde 
do idoso envolve mudanças no estado nutricional, como alterações dos índices antropométricos e das concentrações de vitamina D. Este trabalho teve como objetivo analisar o desempenho funcional dos idosos e sua relação com parâmetros antropométricos e níveis de vitamina D. Trata-se de um estudo transversal e descritivo, realizado com 359 idosos assistidos por equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) do município de Teresina-PI, no período entre fevereiro a junho de 2011. Os idosos foram entrevistados individualmente em visitas domiciliares, utilizando-se um questionário estruturado com questões abertas e fechadas referentes aos dados sociodemográficos. Em seguida, foram submetidos ao exame bioquímico onde se realizou uma venopunção, com uma coleta de 5ml de sangue para posterior dosagens séricas de 25OHD. Logo após, foi realizada a avaliação dos índices antropométricos, por meio de medidas de massa corporal (MC), estimativa da estatura (E), índice de massa corporal (IMC), circunferência do braço e dobra cutânea tricipital. E posteriormente, para a avaliação do desempenho funcional dos idosos foi utilizado o teste Timed Up and Go (TUG). Os resultados demonstraram que o tempo médio de realização do TUG foi 13,8s. Observou-se que massa corporal (12%), altura (6%), área muscular do braço (5%) e vitamina D (29%) foram estatisticamente significativas (p < 0,05) quando comparados entre os sexos. A correlação foi significativa entre associações TUG, idade (p = 0,407, p < 0,001) e altura (p = -0,201, p < 0,001). Foram encontradas correlações significativas entre o TUG, idade (p = 0,413, p < 0,001) e altura (p = -0,259, p < 0,001) para o grupo feminino (n = 220) e correlações significativas entre o TUG, idade (p = 0,507, p < 0,001) para o grupo masculino (n = 139). Conclui-se que dentre os parâmetros antropométricos o IMC e a circunferência abdominal foram associados com o desempenho no teste mostrando que quanto maior o IMC e CA maior o tempo de realização do teste. Os níveis séricos de Vitamina D não foram associados ao desempenho no teste.

 


Palavras-chave


Idosos, Avaliação funcional, Antropometria e Vitamina D.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Luciana Correa et al. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Publica. Rio de Janeiro, v. 23, n.8, p. 1924-1930, ago. 2007.

ARNADOTTIR, Solveig; MERCER, Vicki. Effects of footwear on measurements of balance and gait in women between the ages of 65 and 93 years. Physical Therapy. Amersfoort, v.80, n.1, p. 17-27, jan. 2000.

ARROYO, Patrícia et al. Indicadores antropométricos, composición corporal y limitaciones funcionales em ancianos. Revista Médica de Chile. Santiago, v.135, n.7, p. 846-854. 2007.

AVILA, José Alberto Funes; GRAY, Katherine Donald; PAYETTE, Hélène. Medicíon de las capacidades físicas de adultos mayores de Québec: un análisis secundario del estudio Nuage. Salud Publica Mexico. Cuernavaca, v.48, n.6, p. 446- 454, nov. 2006.

BARBOSA, Aline Rodrigues et al. Estado Nutricional e Desempenho Motor de Idosos de São Paulo. Revista da Associação Médica Brasileira. São Paulo, v.53, n.1, p.75-79. 2007.

BISCHOFF, Ferrari et al. Fall prevention with supplemental and active forms of vitamin D: a meta-analysis of randomised controlled trials. British Medical Journal. London, v.339, n.b3692, p.01-11, out. 2009.

BOTOLFSEN, Pernille et al. Reability concurrent validity of the expanded timed up and go test in older people with impaired mobility. Revista Physical Therapy in movement. Curitiba, v. 13, n. 2, p. 94-106, jun. 2008.

BOYD, Cynthia et al. Frailty, hospitalization, and progression of disability in a cohort of disabled older women. American Journal of Medicine. Philadelphia, v. 118, n. 11, p. 1225-1231, nov. 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde (MS). Cadernos de Atenção Básica, Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Ministério da Saúde (MS) – Brasília, 2006. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abcad19.pdf >. Acesso em: 23 ago. 2014.

CARVALHO, Joana; SOARES, José. Envelhecimento e força muscular – breve revisão. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto. Portugal, v. 4, n.3, p. 79-93. 2004.

CHAIMOWICZ, Flávio. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 31, n.2, p.184-200, abr. 1997.

CHENG, Yin et al. Self-rated economic condition and the health of elderly persons in Hong Kong. Social Sciense & Medicine. Hong Kong, v. 55, n.8, p.1415-1424. 2002.

HOLICK, Michael. Vitamin D Status: Measurement, Interpretation, and Clinical Application. Annals of Epidemiology. Boston, v. 19, n.2, p.73-78, fev. 2008.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico – Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: Acesso em: 22 ago. 2014.

MACIEL, Álvaro Campos Cavalcanti; GUERRA, Ronaldo Oliveira. Fatores associados à alteração da mobilidade em idosos residentes na comunidade. Revista Brasileira de Fisioterapia. São Paulo, v. 9, n. 1, p. 17-23. 2005.

MATSUDO, Sandra Marcela Mahecha. Avaliação do idoso: física & funcional. Londrina: Midiograf, 2000. 125p.

MENEZES, Tarciana Nobre de; MARUCCI, Maria de Fátima Nunes. Antropometria de idosos residentes em instituições geriátricas. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 39, n. 2, p. 169- 175. 2005.

NETTO PAPALÉO, Matheus; CARVALHO FILHO, Eurico Thomaz de. Geriatria: fundamentos, clínica e terapêutica. São Paulo: Atheneu, 2005. 785p.

OMRAN, Louay; MORLEY, John. Assessment of protein energy malnutrition in older persons, part I: history, examination, body composition, and screening tools. Nutrition. Philadelphia, v. 16, n. 1, p. 50-63, jan. 2000.

PODSIADLO, Diane; RICHARDSON, Sandra. The Timed “Up and Go”: a test of basic functional mobility for frail elderly persons. Journal of American Geriatrics Society. Philadelphia, v.39, n.2, p. 142-148, fev. 1991.

RAMOS, Luiz Roberto. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: projeto Epidoso. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 793-798, mai. 2003.

SANTOS, Débora Martins; SICHIERY, Rosely. Índice de Massa Corporal e Indicadores Antropométricos de Adiposidade em Idosos. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 39, n. 2, p. 163-168, abr. 2005.

SARAIVA, Gabriela Luporini et al. Prevalência da deficiência, insuficiência de vitamina D e hiperparatiroidismo secundário em idosos institucionalizados e moradores na comunidade da cidade de São Paulo, Brasil. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. São Paulo, v. 51, n. 3, p. 437-442. Abr. 2007.

SOARES, Lisandra Delfino de Albuquerque et al. Analysis of Motor Performance associated with the Nutritional Status of the Elderly enrolled in the Family Health Program in the municipality of Vitória de Santo Antão in the State of Pernambuco. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 17, n. 5, p. 1297-1304, mai. 2012.

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Quedas em idosos. Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho federal de Medicina – São Paulo, 2001. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2014.

TASKAPAN, Hulya et al. Vitamin D and muscle strength, functional ability and balance in peritoneal dialysis patients with vitamin D deficiency. Clinic Nephrology. Rockledge, v, 76, n. 2, p. 110-116. 2011.

VASCONCELOS, Karina Simone de Souza, Dias, oão Marcos Domingues; Dias, Rosângela Correa. Dificuldades funcionais em mulheres obesas com osteoartrite de joelhos: relação entre percepção subjetiva e desempenho motor. Fisioterapia e pesquisa. São Paulo, v. 14, n. 3, p. 55-61. set. 2007.

VIRTUOSO, Janeisa Franck et al. Perfil de morbidade referida e padrão de acesso a serviços de saúde por idosos praticantes de atividade física. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 23-31, jan. 2012.

World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Organização Pan-Americana da Saúde – Brasília, 2005. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf>. Acesso em: 23 ago. 2014.

ZHU, Kun et al. A Randomized Controlled Trial of the Effects of Vitamin D on Muscle Strength and Mobility in Older Women with Vitamin D Insufficiency. The American Geriatrics Society. Philadelphia,v. 58, n. 11, p. 2063–2068, nov. 2010.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2