ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA POR CAUSAS EXTERNAS NÃO INTENCIONAIS ENVOLVENDO IDOSOS DE FLORIANÓPOLIS, SC: VIVA 2006-2007

Flavia Felipe, Pamela Silva Mesadri, Silvia Teixeira, Janaina dos Santos, Andreia Pelegrini

Resumo


O presente estudo tem como objetivo descrever o perfil dos atendimentos de urgência e emergência por acidentes não intencionais em idosos da capital do estado de Santa Catarina. Participaram do estudo idosos acima de 60 anos que foram atendidos nos serviços de urgência e emergência do município de Florianópolis, SC, no período de 2006 (n= 40) e 2007 (n=17), por meio da análise dos dados secundários do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA). Foram coletadas informações referentes ao sexo, à idade, à cor da pele, ao grau de escolaridade, à área de domicílio e aos eventos relacionados às injúrias. Em 2006, as causas externas não intencionais predominaram nas mulheres, em idosos de 60 a 69 anos, de cor de pele branca, com escolaridade de primeira a quarta série do ensino fundamental, residentes na área urbana e cujo meio de transporte mais utilizado foi SAMU/Resgate. Em 2007, as causas externas foram mais evidentes nos idosos de 60 a 69 anos, com ensino fundamental, de cor de pele branca, e domiciliados na área urbana. Utilizaram o veículo particular para chegar ao hospital. Em ambos os períodos, o tipo de ocorrência que prevaleceu foram quedas na residência. A natureza da lesão mais frequente foi a de fratura nos membros inferiores. A maioria dos idosos teve alta e encaminhamento ambulatorial, sem registro de óbito. Considera-se de suma importância o estabelecimento de iniciativas de prevenção voltados para idosos e que integrem as práticas de saúde coletiva e do cuidado individual de idosos.


Palavras-chave


Acidentes Domésticos. Causas Externas. Saúde do Idoso. Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMBROSE, Anne Felicia; PAUL, Geet; HAUSDORFF, Jeffrey M. Risk factors for falls among older adults: a review of the literature. Maturitas, Oxford, v. 75, n. 1, p. 51-61, May 2013.

ANDRADE, Silvânia Suely Caribé de Araújo et al. Perfil das vítimas de violências e acidentes atendidas em serviços de urgência e emergência selecionados em capitais brasileiras: Vigilância de Violências e Acidentes, 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 21, n. 1, p. 21-30, jan./mar. 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Viva: vigilância de violências e acidentes, 2006 e 2007. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_vigilancia_violencias_acidentes.pdf. Acesso em: 4 mar. 2016.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Viva: vigilância de violências e acidentes, 2008 e 2009. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_2008_2009_violencias_acidentes.pdf. Acesso em: 4 mar. 2016.

FABRÍCIO, Suzele Cristina Coelho; RODRIGUES, Rosalina A. Partezani; COSTA JUNIOR, Moacyr Lobo da. Causas e conseqüências de quedas de idosos atendidos em hospital público. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 93-99, fev. 2004.

FREIRE, Glauciane Aparecida et al. Mortalidade Por Causas Externas em Idosos no Paraná, Brasil de 2001-2010. UNOPAR Científica: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 15, n. 2, p. 161-67, 2013.

GAWRYSZEWSKI, Vilma Pinheiro; JORGE, Maria Helena Prado de Mello. Mortalidade violenta no Município de São Paulo nos últimos 40 anos. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 3, n. 1-3, p. 50-69, abr./dez. 2000.

GAWRYSZEWSKI, Vilma Pinheiro; JORGE, Maria Helena Prado de Mello; KOIZUMI, Maria Sumie. Mortes e internações por causas externas entre idosos no Brasil: o desafio de integrar a saúde coletiva e atenção individual. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 50, n. 1, p. 97-103, 2004.

GRDEN, Clóris Regina Blanski et al. Caracterização de idosos vítimas de acidentes por causas externas. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 19, n. 3, p. 506-513, jul./set. 2014.

LEITE, Marinês Tambara et al. Ocorrência e prevenção de acidentes envolvendo idosos no espaço doméstico. Revista Contexto & Saúde, Ijuí, v. 6, n. 11, p. 83-90, jul./dez. 2006.

LUSTOSA, Lygia Paccini; BASTOS, Eduardo Onofre. Fraturas proximais do fêmur em idosos: qual o melhor tratamento? Acta Ortopédica Brasileira, São Paulo, v. 17, n. 5, p. 309-312, 2009.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira. Análise da implantação da rede de atenção às vítimas de acidentes e violências segundo diretrizes da Política Nacional de Redução da Morbimortalidade sobre Violência e Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 5, p. 1641-1649, nov./dez. 2009.

OLIVEIRA, Adriana Sarmento et al. Fatores ambientais e risco de quedas em idosos: revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 637-645, jul./set. 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 10. rev. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para classificação de Doenças em Português/EDUSP, 1993. v. 1.

SÉCULI SÁNCHEZ, Elisa et al. Las caídas en los mayores de 65 años: conocer para actuar. Atención Primaria, Cataluña, v. 34, n. 4, p. 186-191, sept. 2004.

SIQUEIRA, Fernando Vinholes et al. Prevalência de quedas em idosos e fatores associados. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 5, p. 749-56, out. 2007.




Estudos Interdisciplinares sobre o Envelhecimento. ISSN: 1517-2473 (impresso) e 2316-2171 (eletrônico)
Qualis Capes 2016, área interdisciplinar: B2